sexta-feira, 8 de março de 2013

GENTE PAGODEIRA

A "república" do Largo da Mariquita

O  "major" Ursecino já tinha duas filhas professoras; Glorinha e Anita.Os homens teriam de cuidar dos negócios comerciais da família.Foi esse conceito primitivo,(aliás o velho chamava-se Ursecino Primitivo dos Santos),que retardou a vocação ao magistério de um dos maiores professores para muitas gerações de cachoeiranos: professor Renato Queiroz.
Indo tardiamente concluir seus estudos superiores em Salvador,Renato viu-se forçado a ir morar num "república". Pois é,crianças;todo estudante que não tinha parentes morando na capital,teria de enfrentar as agruras de tais pensionatos.
 No sobradão de dois andares no Largo da Mariquita (não sei realmente onde ficava a tal "república" mas,gostei do nome),já moravam rapazes e moças de diversos locais do interior: São Félix,Muritiba,Maragojipe,Governador Mangabeira,Cruz das Almas,Santo Antônio de Jesus e de até localidades mais distantes como Itabuna e Ilhéus.
Indicado por um amigo de Conceição da Feira,Meru hospedou-se no referido albergue. Numa dessas coincidências do destino,ao chegar em casa naquele dia,Meru foi abordado pela proprietária:
- Seu Meru; tá chegano um moço procurano vaga. Como no seu quarto tem uma cama desocupada arresuvi hospedar ele.
Sem jeito mesmo pra dar Meru anuiu:
- Sem problemas dona Magnólia !
Dirigindo-se para o seu quarto,antes privativo,Meru,mesmo sentindo-se cansado,não deixou de pensar:
- Tomara que não seja nenhum ladrão ou viado !
Naqueles tempos não era crime chamar alguém de viado,nem existia o crime nem ninguém sabia mesmo o  que era homofobia.
Quando Meru meteu a mão na maçaneta da porta e abriu,levou o maior susto:
- Renato ! Puta merda,que coisa boa,você vai ser meu companheiro de quarto...
Renato era do tipo de gostar de tudo bem arrumadinho. Seu companheiro nem tanto.Mas,acabaram se entendo bem,e quando Renato se queixava Meru dava uma de traquejado:
-  Ora,Renato,isso aqui não é o sobrado de Ursecino,comidinha feita pela mamãe...Pensionato é isso mesmo. Tem coisa muito pior por aí.
Todas as vezes em que Renato resmungava da comida,da sujeira do quarto e dos sanitários,de não terem tirado as roupas de cama,das baratas,Meru com aquela de conformado vinha com a mesma ladainha:
 - Quem quer conforto fica em casa !
Numa certa sexta-feira,véspera de vir passar o final de semana em casa,Renato falou para o amigo:
- Agora é que danou,Meru; além das muriçocas que não estão mais respeitando nem a Sentinela, o colchão está infestado de pulgas !
E o conformado companheiro:
-  Quanta chiada ! Não é culhuda não,amigo. Eu não sinto porra nenhuma.Pensionato é isso mesmo,deixa de ser carne-de-cu. Eu não sinto nada,já estou treinado.
Logo ao chegar no sobrado,em Cachoeira,Renato foi recebido festivamente pelo velho e felpudo cachorro.
DECODIFICANDO O "BAIANÊS"
MURIÇOCA - pernilongo,mosquito
SENTINELA - espiral que se acendia para afugentar insetos
COLHUDA - mentira
PORRA - para nós,baianos,tem vários significados.Pode ser bom ou mau pra porra;bonito ou feio pra porra;perto ou longe pra porra; enfim,pode ser um desabafo ou surpresa.
CARNE-DE-CU - chato,ranzinza 
 

 


Nenhum comentário:

Postar um comentário