sexta-feira, 20 de setembro de 2013

MEMÓRIA ESPORTIVA

Adálio versus Congo de Ouro

Quando eu era menino na década de cinquenta, o campeonato cachoeirano era disputado no campo da Avenida Ubaldino de Assis, com destaque para uma atração comum a nós, os baianos; a disputa pela hegemonia macumbística entre os Pais de Santo Adálio e Congo de Ouro. Um adendo: não sei se existe a palavra macumbística, portanto, o neologismo é nosso.
Adálio, tinha a semelhança física com o ator Sérgio Loroza. Morava numa casa térrea naquela rua por trás da Igreja do Monte. Logo na entrada da casa havia uma estátua em tamanho natural (originalmente se encontrava na casa do Dr.Bahia) e que assustava a muita gente, menos a mim e alguns colegas que éramos "fornecedores" de sapos que eram comprados pelo paciente Pai de Santo.
Adálio era torcedor do Botafogo de Cassimiro e Companhia.
Congo de Ouro, sempre trajando camisa e calça brancas, morava na /rua da Feira, quase na Ponta da Calçada. Era sempre visto na quitanda de Ioiô de Ursecino conversando como o quê, dizendo que fazia e acontecia, que viajava de avião pra São Paulo todos os meses a fim de atender o político Ademar de Barros. 
Congo era torcedor do Fluminense que ra presidido por Severino da Carne de Porco.
Cheguei a presenciar certa feita uma luta corporal entre Adálio e Congo nas imediações do Posto Texaco, hoje Terminal Rodoviário. Ah, e o mais importante: a partida havia terminada empatada!
Em junho de 1950, o Botafogo foi jogar amistosamente na vizinha cidade de São Félix contra o Floresta, registrndo-se uma vitória apertada dos cachoeiranos por 3 a 2, marcando Natinho, Vadu e Tabareu para os vencedores enquanto Linho e Zeca Soupinha assinalaram os gols do Floresta.
Naquela ocasião o Botafogo jogou com: Moqueca, Cassemiro, Cal, Região, Didi Zoião (depois Futrica), Santinho, Nadu (depois Pelado),Dovê, Tabareu e Natinho.
Como vocês vão poder observar, alguns jogadores (os melhores,naturalmente), vão aparecer na escalação de clubes diversos. Acontece que, naqueles tempos, os jogadores assinavam a ficha do clube apenas na Liga onde se disputava o campeonato.
Na sequência de jogos amistosos (maioria das vezes nem sempre "amistosos"), entre sanfelixtas e cachoeiranos, no dia 20 de janeiro de 1952, foi a vez do Real (cachoeirano) jogar no campo Arlindo Rodrigues, em São Félix contra o selecionado local, registrando-se um empate de 3 a 3.
O Real atuou com: Lourival Fracasso, Zeca, Cassemiro, Santinho, Didi mZoião, Região, Orlando, Hilbernont, Zé Pequeno, Natinho e Dovê.
No dia 20 de maio de 1956, o Bangu (cachoeirano) enfrentava o Botafogo (sanfelixta)  e o vencia por 2 a 1, gols marcados por Nouzinho e Du (irmão de Ceguinho).
O Bangu jogou com: Landinho Amarelo, Beu, Tonho Bozó, João Marreteiro, Edésio, Mundinho, Valfredo, Dú, Mario Codorna, Nouzinho e Dadinho (primeira voz de "Os Tincoãs") 
No final da década de cinquenta, o jovem sanfelixta Manoel Borges Filho fundava o Cruzeiro (cachoeirano), filiando-o à Liga sanfelixta para disputar o campeonato local. O jovem em questão teve morte prematura mas, a sua foto sempre esteve em destaque no salão do clube, até quando Morenito esteve vivo.
Os jogos envolvendo o Cruzeiro, sobretudo contra o 2 de Julho (sanfelixta) terminavam em luta campal entre jogadores e torcedores. Hoje, lembrando-me de alguns episódios de pedradas entre torcedores, não sei mesmo como não se tem qualquer registro de feridos graves e de mortes !
Na próxima postagem, valendo-se de algumas lembranças e apontamentos pessoais, vamos lembrar a passagem do Cruzeiro no campeonato sanfelixta.


 

Nenhum comentário:

Postar um comentário