quinta-feira, 17 de outubro de 2013

CAUSOS' VERÍDICOS

                             O bicho vai pegar !
ERIVALDO BRITO


Já está cientificamente comprovado que, à partir dos quatro anos de idade, mais ou menos, a criança passa instintivamente a se tocar. É a “descoberta” do sexo, do fogo e da paixão tão necessários para a reprodução da espécie humana. Nada mais natural, portanto.
No Antigo Testamento, vamos encontrar um sujeito chamado Onã. Ele desobedeceu a lei estabelecida para engravidar a sua esposa, Tamar. O que fez Onã? Preferiu derramar o seu sémen no chão ! Como castigo foi eliminado por Deus por haver se masturbado!
Daí em diante, turma, ao longo dos séculos, apareceram os bissexuais, heterossexuais, as garotas que preferem e adoram juntar o velcro, os que adoram injeções a fim de levar picada, as taras inimagináveis e os zeófilos dos quais a gente vai se ocupar no presente “causo” Antes, porém, vejamos algumas anomalias:
O jornal inglês Daily Mirror escreveu sobre um sujeito que teve o pénis sugado por um cano de aspirador de pó! Já um outro tarado fez uso da torradeira da casa e o piu-piu virou frango à passarinha!
Agora vejam que cara de pau; quando foi socorrido pelo médico, ele alegou que a esposa dele era “fria”, então, ele resolveu se engraçar com a referida torradeira a fim de fazer saliência e a chapa esquentou, literalmente.
Outro jornal sensacionalista britânico, o Dail Mail, publicou recentemente a notícia de um crime cometido por um tal Johan Clinton que matou a própria esposa porque ela zoou o tamanho do seu bilau!
Já que falamos de zoar, de zoação, vamos no ater em casos de zeófilos, ou seja, aqueles que fazem sexo com animais. O assunto foi tema, inclusive, de um Globo Repórter onde apareceu gente de ambos os sexos que sentem atração sexual por animais, notadamente mulheres com seus cães “treinados” para tal mister. Gente nova e idosas, também. Na aludida reportagem, alguns entrevistados disseram que optam por animais mortos ! Crendeuspadi !
Recentemente no “Feice”, quando postamos uma foto da Igreja do Amparo que foi demolida, um amigo confessou que, quando era menino, usava as ruínas do referido templo como local de encontro para um tórrido romance com uma cabra que era “de propriedade de dona Paulina, mãe de Alfredo Mão de Onça”.
Esse amigo garante que bichinha não era fiel a ninguém, que outros meninos da época também se davam bem com ela.


Outro caso de zeofilia aconteceu com um saudoso amigo. Por óbvios motivos a sua identidade não será revelada.
Primeiramente ele se deu mal ao tentar um vuco-vuco com uma mula. A suplicante usou o orifício onde se expelem os excrementos para dar-lhe um banho de merda ! O fato felizmente não chegou ao conhecimento da galera.
Logo depois da primeira frustração ele conheceu uma galinha que se “insinuava” para ele, confundindo-o naturalmente com um galo.
Certo dia, estando em casa sozinho resolveu atacar a penosa sexualmente e,de novo se deu mal. Ela prendeu o pinto dele no uropígio dela. Doía pra caramba. Não deu pra ele segurar. Ele correu do quintal e entrou em casa no exato momento em que mãe chegava da feira. E ele gritava:
  • Ai, meu pinto! Ai, meu pinto! Tira, gente! Tira!
A infiel mulher do galo, -acreditem-, sobreviveu embora apresentasse visíveis sinais de estrangulamento, tendo de passar por intenso tratamento pois tinha pintinhos pra criar! Nãoa deu ruim pra ele porque não foi efetuado o competente exame de corpo de delito mas, o nosso personagem ganhou o apelido, a alcunha que o acompanhou durante toda a sua vida: Enoque Piu-piu !
Relembrando: O nome do personagem é fictício, gente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário