sexta-feira, 9 de maio de 2014




  • Com as nossas desculpas aos que nos honram com a sua leitura e participam com suas opiniões, estamos,hoje,atualizando a pauta
Jorginho Ramos escreveu: "Foi Inocêncio Boaventura e a morte dele aconteceu no Plenário da Câmara, em 1926 !"
Adilson Gomes e: "Eu já sabia ... Morreu amando a cidade. Pouco sabemos do Dr. I.B. Seria bom que o Historiador nato, Erivaldo Brito, apresentasse o que tem, e o que sabe sobre o mesmo. Os cachoeiranos agradecem.
* Meu caro professor Adilson: Vamos ver o que conseguimos,tá certo?
Nilda Torres: Estive olhando seu blog e li algumas de suas reportagens que me chamaram muita a atenção e fiquei mais impressionada foi com seu acervo fotográfico riquíssimo.
Meu nome é Nilda Torres, ou uma pedagoga e atualmente estou concluindo minha segunda graduação em Museologia na UFRB, e temos uma disciplina em que temos que montar uma exposição. Minha turma escolheu falar sobre o Cine Teatro Cachoeirano, e gostaria de saber se o senhor conhece algumas histórias sobre o local e algumas fotografias.
Procuramos no acervo da Biblioteca Municipal da Cachoeira, mas o arquivo está sendo restaurado e nossa entrada no local foi barrada, ainda estamos procurando nas bibliotecas de São Félix e de Muritiba.
Nossa exposição será divindade em dois turnos: O primeiro será sobre a cachoeira e a construção do cinema, e o segundo será de relatos pessoais que frequentavam o local e o que mais elas gostava no ambiente do Cine Teatro.
Agradeço sua atenção,
* No Goolge,se você acessar o meu nome e solicitar fotos, vai aparecer um monte do que já publicamos. Eu já respondi pra você e vamos ver no que posso ajudá-la.
Mundão Souza : "Parabéns primo, pela atitude histórica e heroica, alias como é o codinome da nossa Cachoeira. "
Fernando Cândido escreveu: "Adora sua historia e como vc se orgulha com que nós saibamos dele. Grande abraço meu amigo!"
Clovis Sacramento da Silva: "Fase negra da nossa história no qual presenciei a tortura e prisão de diversos amigos.
Nelson Brito "Erivaldo. Uma amigo de infância fez a seguinte postagem. José Carlos Silveira Lima Cachoeira já celebrou o maior São João da Bahia, Oseas dentro do possível gostaria que pesquisa-se sobre o Hotel Brasil que tinha seu prédio frente ao ancoradouro onde o Navio Paraguaçu aportava, a proprietária era Lulu tia da minha mãe, irmã de Louro barrigudo lá de Muritiba. Esse Hotel fornecia a melhor refeição da redondeza. Salve Cachoeira.
* Meu querido escritor Nelson: Frente à ponte de embarque e desembarque dos navios ficava a “Pensão Paraguaçu”, depois um consultório do doutor Aurelino, hoje apenas ruínas A dona Lulu (não sei se a mesma que era a sua tia), montou pensão num sobrado no Largo dos Amores hoje pertencente à família de Stênia e do amigo Heraldo Cachoeira. A dona Lulu, mãe de Didi Zoião,teve pensão,depois,no sobradão da praça da Aclamação com rua Ana Neri,e,finalmente,onde presentemente é a sede do Cruzeiro, o restaurante que ela colocou o nome de Gruta Bahiana.
Renato Queiroz (filho) escreveu: "Tio Erivaldo, fiquei bastante honrado com a homenagem ao meu saudoso e querido Pai, a quem guardo no peito pela sua personalidade ímpar, afetuosa e pelos seus nobres exemplos. Minhas palavras, Tio, são singelas frente as suas brilhantes e bem humoradas publicações, permeadas pela sua extrema consideração, pelo o seu carinho e pelo seu admirável talento literário, também admirado por muitos. Sabemos que ele se orgulhava de tê-lo como um verdadeiro Amigo. Inesquecível! Emocionado, lhe agradeço me despedindo como ele me respondia quando lhe pedia a bênção: Deus lhe abençoe
e lhe faça feliz!!"
Linda Sapucaia escreveu: "Concordo com Nilda Sapucaia. O n° 4 é de nosso pai Helvécio Vicente Sapucaia Filho, falecido em 9 de agosto de 1962. E o 2 é do primeiro marido de nossa mãe o Professor e Advogado Aloiso de Souza falecido no final da década de 60."

Nenhum comentário:

Postar um comentário