sexta-feira, 16 de maio de 2014

FUTEBOL

A primeira conquista gloriosa 

O dia 18 de maio de 1987 caiu coincidentemente num domingo. Naquele dia, toda a cidade da Cachoeira amanheceu num clima de tensão porque no velho campinho da Graça, em Salvador, o selecionado local, invicto até então, estaria disputando o X Campeonato Intermunicipal de futebol amador enfrentando o escrete da cidade de Jequié.
Com um gol de Passarinho aos 28 minutos da etapa final, Cachoeira sagrou-se campeã invicta, para delírio da enorme torcida que esteve presente.
Naquela oportunidade, o selecionado cachoeirano jogou com Vadinho, Deca, Zé Fernandes, Balaio, Paiva, Badaró, Mario Codorna, Tião, Marivaldo, Passarinho e Coqueiro.(foto abaixo)
 O time de Jequié atuou com Edmílson, Zé Augusto, Hugo, Raimundo, Potó, Bajau, Bara, Tanajura (Zé do Bife), Paulinho e Marcos.
Para a conquista de tão glorioso título, a seleção realizou os seguintes jogos: Cachoeira 3 x 2 Maragojipe (Um jogo tumultuadíssimo porque o juiz, Mouri, apitou um penalti discutível no final da partida, depois, torcedores que saíram do jogo na caçamba da prefeitura derrubaram as bandeirolas de uma festa religiosa e foi a gota d'água para uma pancadaria generalizada) Cachoeira 2 x 1 Narazé das Farinhas, Cachoeira 1 x 1 Santo Antônio de Jesus,Cachoeira 3 x 0 Cruz das Almas, Cachoeira 2 x 2 Maragojipe (Muita confusão e muita pancadaria entre torcedores), Cachoeira 5 x 0 Naraze das Farinhas, Cachoeira 4 x 0 Santo Antônio de Jesus, Cachoeira 1 x 0 Cruz das Almas, Cachoeira 5 x 1 S.Francisco do Conde, Cachoeira 2 x 1 S.Francisco do Conde. A decisão do grupo entre Cachoeira e Feira de Santana foi emocionante, sobretudo a partida realizada no Jóia da Princesa, em Feira, quando se verificou um empate de 1 x 1. O goleiro Ceguinho pode dar um depoimento valioso sobretudo quanto aos minutos finais. No dia 14 de maio de 1968 verificou-se um novo empate dessa vez por 2 x 2, e, finalmente,um categórica vitória dos cachoeiranos por 3 x 1.
A disputa do título ficou entre Cachoeira e Jequié. Nas duas primeiras partidas um empate sem abertura do placar. Finalmente o jogo da consagração, em Salvador a que nos reportamos acima. 
Foram convocados e inscritos na Federação Bahiana os seguintes atletas: Orelha de Coelho, Mario Codorna, Deca, Emanoel, Careca, Balaio, Coqueiro, Kid, Naguerete, Carlyles, Vadinho, Luciano, Nica, Babão, Tião, Cal, Badaró, Caçulinha, Marrom, Zé Fernandes, Marivaldo, Rabicó, Passarinho, André, Cueca, Paiva, Z´Melo, Sacramento, Roque, Ceguinho, Penedo, Curió e Juracy.
Comissão Técnica: Cabo Cipó (preparador físico), Morenito e Gérson Duarte (técnicos), José Ranulfo  e Carlos Claudiano (médicos), Salu (assistente), Seu Bó (massagista), Vava e Zé (roupeiros) 
A diretoria  era assim composta: Francisco Alves (Chico da Padaria) era o presidente, Mourivaldo Batista, Joeraldo Fraga, José Leoni,Gildo Lobo, Roque Ferreira Pinto, Ivan Rodrigues e Hugo Rocha compunham a diretoria da Liga Cachoeirana de Futebol.
Da esquerda para a direita: Chico da Padaria,Julião(prefeito) e o padre Fernando
Foi constituida uma Comissão a fim de angariar recursos para o bom êxito da campanha; Adolpho Gottschal, Carlos Menezes, Francisco Cruyz, padre Fernando Carneiro, César Tomas da Silva, Antônio Costa, Antônio Chonjinsk e Edgar Teixeira Rocha.
A presença de uma Charanga composta por músicos da Minerva era um enorme sucesso sobretudo pela adaptação do samba "Colher de Chá" feita pelo ritmista Xendengo:
"Este ano não vai ter colher de chá / Pois Cachoeira está de arrasar / (bis) - Pega a bola Coqueiro/ Passa para Tião / Foi Passarinho que fez o gol da Seleção ! / Este ano não..."
A chegada dos atletas que estiveram em ação naquele jogo decisivo  foi uma festa inesquecível pela mobilização geral. Da Praça Maciel até em frente à Matriz da Nossa Senhora do Rosário não cabia mais de gente. Os sinos da igreja repicando, fogos explodindo no ar, o público delirando. Um espetáculo emocionante e inesquecível a entrada dos jogadores carregados em triunfo.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário