sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

 FALA, GALERA !
Luis Claudio Dias Do Nascimento·Meu amicíssimo amigo e irmão Erivaldo Brito, caixa e eventualmente gerente do Banco da Bahia, tinha umas tiradas legais quando trabalhávamos, no início da década de 1970, na agência 3011 daquele banco que agora é Bradesco, em Cachoeira. Eu tinha 18 anos. Erick, como tratávamos carinhosamente, é de uma inteligência rara. Certa feita ele me perguntou se eu me importaria em ficar cego se eu fizesse algo mirabolante do tipo a Quinta Sinfonia de Beethoven. Beethoven escreveu a referida peça quase surdo. Eu ri, mas guardei como uma questão profundamente filosófica. Estou só em casa escutando Bossa Nova na Sky e organizando minhas coisas de pesquisa. Parei para escrever isso porque me lembrei de Erick, que é musicista virtuoso e adora essas coisas.  Sei que vou escrever uma puta tese de doutorado. Desde garoto pesquiso o meu objeto de pesquisa que vou defender no doutorado. Tenho que ter um limite senão não pararei de escrever, porque é muita coisa, muito documento, muita entrevista, muita lembrança. Aí fico pensando que escreverei algo que em toda a minha vida me dediquei só a isso: estudar o Recôncavo, o povo do Recôncavo, o ar do Recôncavo, eu. Então, Erick, respondo a sua questão formulada num dia qualquer de 1971-72, não lembro, mas foi nesse período: eu não me importo em ficar cego, nem morrer.
OS DOIS POETAS Ana Lessa Boa lembrança! ! Pensei nesse poema ontem. Mas não estou com meus livros. Só lembrava do título do poema. Obrigada prof Erivaldo Brito! !

PRA BALANÇAR O CORETO Nea Gonçalves obrigado por estas lembranças .
Carmen Barros Em São Felix também! Muita saudades!
Para mim foi horrível, eu est.ava grávida de 9 meses e o Hospital de São Felix em baixo d´água

OS TRÊS GOLEIROS (CEGUINHO,VADINHO e IBERÊ)
Miriam Mascarenhas Concordo com você Roberval.
Nea Gonçalves ceguinho,com certeza.
Antonio Oliosvaldo Menezes Todrs excelentes, mas convenhamos(Tata toxe ta topitata to ar) de acord com Dayube

Nenhum comentário:

Postar um comentário