sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

MÚSICA
Maragojipe em pauta  
O saudoso poeta e historiador maragojipano Osvaldo Sá, incansável na divulgação das coisas do passado da sua amada terra natal, em Histórias Menores - Capítulos da História de Maragojipe, publicado em três volumes, nos fala da fundação da Filarmônica Terpsícore Popular em o dia 13 de janeiro de 1880. Completou, portanto, 135 anos. A Terpsícore, segundo Osvaldo, sucedeu a filarmônica Mnemósine após a sua extinção. Enquanto eu morei na região, era fã incondicional da harmoniosa filarmônica da Terra das Palmeiras, que era presidida pelo amigo José Paranhos.
Achava interessantíssimo naquele grupo formado por músicos de excepcional talento que executavam peças de enorme dificuldade e o moço que tocava o bombo era completamente surdo!!!
"Durante muitos anos", - escreveu o saudoso memorialista e poeta -, "a Terpsícore foi dirigida pelo mais célebre dos nossos compositores: Heráclio Guerreiro (foto acima com a Terpsícore no dia da sua fundação).
 Elencado por Osvaldo Sá como um dos mais ilustres maragojipanos, Heráclio nasceu quando a sua mãe Elisa Romana Guerreiro ´~ia embarcar para o Hospital da Cachoeira em o dia 13 de março de 1878.
Autodidata, como também o fora o  maestro Tranquilino Bastos (1850/1935), cachoeirano, Heráclio compôs muitas marchas, polcas, dobrados e hinos executados pelas filarmônicas pelo Brasil afora sem que ao menos seja indicada a sua autoria.
Se Heráclio estudou sozinho, não teve auxílio de escola e professores, o também maragojipano José Pereira Rebouças, nascido em 2 de janeiro de 1789, era um músico de excepcional qualidade e foi um dos primeiros, se não o primeiro músico brasileiro a estudar na Europa. Merece dos historiadores uma pesquisa mais demorada.










 

Nenhum comentário:

Postar um comentário