sexta-feira, 17 de abril de 2015

MEMÓRIA
O assassinato do delegado Edelsaias
O dia 17 de abril de 1982, há 33 anos passados, a cidade da Cachoeira era abalada com a notícia do assassinato do polêmico delegado de polícia da cidade, o subtenente Edelsaias de Almeida Santana.
Naquele sábado, por volta das 18h45m. o delegado já estava embarcando na viatura policial com destino a Salvador onde invariavelmente passava os finais de semana com familiares quando foi abordado por um individuo conhecido como "Buru" informando-o que, na Ponta da Calçada, no final da Rua da Feira, estava havendo uma briga entre familiares, "uma briga feia". Edelsaías rumou então para o local e foi inteirado que o problema era um "gato" (ligação de energia elétrica irregular) e a briga envolvia os irmãos Nelson e Eudes Nery Moreira conhecido nos meios esportivos por ter sido jogador da seleção cachoeirana de futebol. O pai de ambos era o conhecido e respeitado Oficial da Justiça e Pastor Ranulfo Moreira - Sinô - que estava tentando acalmar os ânimos. O delegado advertiu Nelson que estava faltando com o respeito por estar sem camisa e não o considerando como autoridade. Eudes arrebatou da mão do delegado o cassetete e desferiu uma pancada violenta na sua cabeça. Nelson sacou de uma peixeira e o vendo no chão tentando se levantar, golpeou-o várias vezes. 
Sentindo a gravidade dos ferimentos Edelsaías tentou sair do local dirigindo a viatura mas não conseguiu. Um popular mais conhecido como "Paizinho" foi quem conduziu a viatura até o hospital da Santa Casa onde o plantonista, doutor Getúlio prestou os primeiros socorros anotando no Prontuário que havia "traumatismo craniano e profundos cortes provocados por objeto contundente".
Eram 21h quando eu estive pessoalmente no local como repórter. A praça doutor Milton não cabia mais de gente, entrar no hospital estava muito difícil. Consegui entrar no quarto. Apesar da gravidade dos ferimentos, o policial ferido mostrava alguma lucidez, balbuciava nomes como o do suplente de delegado Nelson Burgos e do soldado Lopes. Meia hora depois a hemorragia interna se agravaria e o delegado entrou em coma e faleceu. Encerrava-se ali a carreira de um delegado tido por uns como "enérgico e cumpridor de suas obrigações" e por tantos outros como "arbitrário" e "truculento".
Na foto abaixo, o repórter acompanha uma diligência em que o delegado verifica o estado em que ficou um fusca, nas proximidades da Lagoa Encantada em que vitimado um servidor da prefeitura da Cachoeira.

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário