sábado, 30 de maio de 2015

Guardo na lembrança, talvez pela repetição com que ouvia contar lá em casa, um "causo" envolvendo um figurão de uma tradicionalíssima família cachoeirana. Para não constranger possíveis familiares ainda vivos, dar-lhe-emos o nome fictício de José Bulhões.
Era um tempo em que ir até a capital do estado de navio, era uma viagem de seis horas, quando o vapor não ficava encalhado na Corôa do Espardate. O Rio de Janeiro era a capital de República, vários políticos e famílias cachoeiranas passaram a morar lá na Cidade Maravilhosa, cheia de encantos mil.
O prefeito Pereira Passos (1903/1906) estava fazendo uma verdadeira revolução urbana com a abertura do que viria a ser a Avenida Rio Branco, início da favelização da população mais carente.
E foi, galera, exatamente na Avenida Rio Branco que o Zeca se encontrou com um também cachoeirano cujo nome também não vem ao caso. Não foi possível de ele fingir que não o viu, mesmo porque foi pego pelo braço;
- Bulhões !  Jamais podia pensar que iria encontrá-lo aqui no Rio! Tudo bem?Como é que você está? Já enricou? Quando é que você vai matar as saudades da terrinha?
Bulhões foi curto e grosso:
- Pra mim Cachoeira morreu, se eu passar de Constellation (o avião da época) e me disserem que estou passando por cima da cidade, vou ao banheiro e solto a maior cagada!
E o seu interlocutor cachoeirano em cima da bucha:
- Controle o seu cu, porque a senhora sua mãe ainda mora lá e pode cair na cabeça dela!
E rumaram,os dois pela avenida sem caminhos opostos. 


ESCÂNDALO   MUNDIAL

Corrupção no futebol















Que ninguém venha tentar politizar o fato,alegando intervenção indébita dos Estados Unidos ao solicitarem a prisão, em Zurique, na Suíça, de figurões da cartolagem da FIFA, incluindo-se o brasileiro José Maria Marin, um senhorzinho de 82 anos. 

Não se pode acusar os Estados Unidos pelo simples fato de que os crimes foram em seu território, para lá os presos serão extraditados  e julgados pelas leis duríssimas de lá quando o critério de idade não vem em conta quando se pratica crimes.
Tudo começou quando o empresário brasileiro Jota Hawilla, acusado de vários crimes de lavagem de dinheiro,evasão de renda e corrupção, suborno, pra limpar a sua barra, além de pagar alta multa, resolveu colaborar com o FBI e a Procuradora Geral. É como diria o saudoso colega Brandão: "Agora é que eu vou ver merda subir de preço!"
O presidente da CBF, Del Niro, que estava em Zurique, deixou de participar da eleição da FIFA e veio refugiar-se preventivamente aqui no Brasil, pois ele não é bobo.
Em entrevista coletiva, o dirigente falou que não renuncia nem que  vaca tussa, e não acredita em corrupção no futebol. Qualquer semelhança ao que já escutamos, antes, por ocasião do mensalão e do petrolão é mera coincidência.
Enquanto isso, o todo poderoso Blatter conseguiu sua reeleição. Será (se é que vai conseguir resistir) o 5° mandato na FIFA, porque o FBI está no encalço e novas emoções estão sendo esperadas, tanto é que o ex-presidente da CBF,Ricardo Teixeira, colocou à venda a sua mansão em Miami e deve rumar às pressas pra onde? rsrsrs
O velho cartola José Marin, em 2012, na cerimônia da entrega de medalhas aos campeões da Copa São Paulo, pensando que ninguém havia percebido, meteu uma apressadamente no bolso do paletó. As câmaras das televisões não perdoaram,flagraram tudo. Dias depois que todo mundo viu, uma repórter perguntou a ele que negou tudo na maior cara de pau, aprendendo direitinho do seu chefe Maluf, de quem foi vice-governador em São Paulo.
A Polícia Federal prometeu apurar as suspeitas de mar de lama no futebol brasileiro. Será a Operação Lava Bola.
Que a CPI proposta pelo hoje senador,  Romário, não seja atrapalhada pela famosa "bancada da bola", que seja votada e devidamente regulamentada uma lei rigorosa para que os clubes e federações seja fiscalizadas pelos Tribunais de Conta. A hora é agora.








FUTEBOL

Dirigente amador, quem se lembra?
Nestes dias em que o mundo da bola é sacudido com os escândalos de corrupção, desmando e enriquecimento ilícito, vale lembrar os dirigentes de clubes e federações amadores, verdadeiros heróis anônimos,e,de uma maneira geral, os responsáveis diretos pelas grandes conquistas do nosso futebol
Os que acompanham este nosso trabalho e possuem mais de trinta anos, talvez sejam capazes de citar um ou outro jogador da seleção penta campeã de futebol amador do estado da Bahia, a seleção da Cachoeira. A escalação completa eu duvido. Falar então de dirigentes,nem pensar. Alguém lembra de dirigentes como Homem de Aço, Firmino Leite, Walter Gavazza, Francelino Cabral, Evangivaldo,Waldo Azevedo, Ioiô de Ursecino,Renato Queiroz,Chico da Padaria, Toninho Costa, seu irmão Toninho Yuistrick,Roque Pinto, Morenito?
Um dos dirigentes da liga de futebol  vitoriosa da Cachoeira que ninguém sabe ou tomou conhecimento é o comerciante Adolfo Gottschal da Silva, filho do segundo consórcio de Clemente Silva, que conheci bastante idoso mas trabalhando na secretaria da Santa Casa de Misericórdia.
Dos irmãos de Adolfo, fui amigo de Guilherme (um vascaíno doente), Carlos (proprietário do Night and Day e dirigente da Desportiva dos tempos áureos), o botafoguense Né Gottschal e dona Aidil, em cujo armarinho eu ia comprar aviamentos a mando de minha madrinha Laura. Aidil passou o ponto para Adolfo explorar o ramo de construção civil, na praça Maciel, estabelecimento comercial que permanece até hoje.
Adolfo jamais negou as suas convicções ideológicas,sendo,inclusive,preso como comunista logo no início do golpe militar de 64, embora eu o tenha como um verdadeiro nacionalista.
No tocante à sua terra natal,Adolfo nunca deixou de assinar Listas,Livros de Ouro, contribuições para festas religiosas etc. Na fase da construção do então chamado "Estádio 25 de Junho", ele abriu um crediário para fornecimento de materiais e muita coisa ele fez doação.
Adolfo Gottschal da Silva, um cachoeirano que deve ser imitado aparece na foto da conquista do primeiro título tendo atrás o doutor Claudiano.








DÉCADA DE TRINTA,como era o ainda ASILO FILHAS DE ANA, hoje Colégio Sacramentinas, orfanato concebido elevado adiante pelo ferroviário Antônio Carlos da Trindade Melo.
Dá para se observar um campanário no prédio central, os sobrados hoje em ruínas e um caminhão dos tempos em que a partida era por uma manivela chamada manícula.
ACONTECEU
QUE FIM levou o projeto Pátria Educadora que a doutora anunciou garbosamente no discurso de sua posse? Que foi um slogan bonito,isso foi, porque os prédios das universidades daqui do Rio estão ameaçando desabar e o lixo tomando conta do pedaço. O estado de decadência é acentuado.
Um relatório da Controladoria Geral da União afirma que o ProUni possui 4.421 bolsistas cuja renda familiar é superior ao permitido em lei,e,o mais incrível, 47 alunos falecidos, continuam recebendo bolsas!!! Um dos mortos recebia antes do início do curso!!!
Talvez por isso o baiano e ex-ministro Eduardo Portella disse o seguinte:
- Está na moda esfaquear. O governo resolveu esfaquear o orçamento da pátria educadora! Faz sentido.

RICARDO NOBLAT, um dos jornalistas mais informados do pais, em O Globo desta semana:
"O único consolo de Levy (ministro da Fazenda) é o de poder ir embora se não der mais. Dilma,não pode. Levy não corre o risco de desemprego. O PT corre o risco de perder o poder."

PESQUISAS REALIZADAS na Universidade do Texas (EUA), divulgada numa revista científica, afirma que, doses diárias de café melhora o desempenho masculino na hora da saliência. Vai um cafezinho aê, irmão?

A JUSTIÇA condenou Cerveró a 5 anos de xilindró. Apesar da rima, cabe, ainda, recursos (no plural). Gente fina quando apanhada em maracutáias como mensalão e petrolão arrumam doenças (vejam como os condenados livres como estão saudáveis), redução de pena, prisão domiciliar, indultos... É por isso que a patuleia acaba considerando válida a proposta de Gérson em levar vantagem em tudo.




O SUPREMO determinou que o BNDES detalhe para o Tribunal de Contas da União, o financiamento de R$ 7,5 bilhões para a famosa empresa Friboi. O banco alegou, antes, "sigilo bancário" mas, o relator do caso, ministro Luiz Fux foi didático:
"Quem contrata com o Poder Público não pode ter segredos".
Como dizia um samba-canção antigo: Segredo é pra quatro paredes...

O CONGRESSO está discutindo a tal Reforma Política. Pela sua complexidade, em nenhum lugar do mundo tal coisa aconteceu,como se pretendia, e o Brasil não será excessão. 
Já se aprovou,por exemplo, o fim da reeleição, o que não é pouca coisa,os efeitos virão no futuro, e o financiamento misto que deverá ser regulado em lei complementar, criando-se uma espécie de ficha limpa para as empresas. Empresas com contrato com os governos e as sob investigação não deveriam doar.

A POLICIA FEDERAL, diante do escândalo mundial da prisão de vários dirigentes da Fifa a mando do FBI, na Suíça, inclusive o cartola brasileiro José Maria Marin, vai apurar as corrupções do nosso futebol, o que poderá chamar-se de Operação Lava-Bola.
O senador Romário entrou com um pedido de CPI. É hora de se apurar tudo sem medo da chamada "bancada da bola".

OS DOIS vídeos que estão bombando nas redes vieram de Brasília. O primeiro, uma passageira fogosa, a moderna versão da Dama da Lotação,transando com o motorista e o cobrador ao mesmo tempo. O flagra é obra do demoníaco WhatsApp.





O segundo,tem como protagonista o deputado federal João Rodrigues do PSD de Santa Catarina, em plena sessão do Congresso. Sua Excelência estava calmamente assistindo no zap-zap um filmezinho de sexo explícito pois ninguém é de ferro e ele já está acostumado com as sacanagens políticas.
Será que dona Encrenca curtiu?
































sábado, 23 de maio de 2015

 
HISTÓRIA
A barragem Jerry O´Connel
A ideia da utilização do rio Paraguaçu para a geração de energia elétrica não foi recente, aconteceu por volta de 1900, quando era Intendente (Prefeito) da cidade de São Félix, João Severino da Luz Neto, baseado nos estudos feitos pelo engenheiro sanfelixta,Américo Furtado de Simas (1875/1944).
No governo do estado o doutor Severino Vieira, (foto à esquerda),a ideia ganhou vulto, com o apoio do seu secretário de Agricultura, Miguel Calmon du Pin e Almeida,(foto à direita) sendo designado o engenheiro Alexandre Teotônio da Silva a fim de fazer um novo projeto voltado especificamente para as cachoeiras do Timbora. Os estudos foram interrompidos no ano de 1905 devido a uma grande enchente.
No ano seguinte, o aludido secretário incentivou a Empresa Guinle & Ciª a adquirir os terrenos marginais às quedas conhecidas como Gameleira e Marcelo das citadas cachoeiras do Timbora, sendo convidado o engenheiro Américo Simas para concluir os estudos e viabilizar o aproveitamento do rio Paraguaçu. Nas conclusões finais do seu projeto, o doutor Simas ponderava que, "as cachoeiras do Timbora ficam a mais de 150 quilômetros de Salvador, enquanto a cachoeira de Bananeiras a apenas 105 quilômetros, a 15 das cidades de São Félix e da Cachoeira, o que facilitaria a construção da represa, por contarem as duas cidades com boa infraestrutura".
O raciocínio lógico do engenheiro Simas prevaleceu e os trabalhos tiveram início no ano de 1907, porém, sofreram grande atraso por causa de algumas enchentes e o início da Segunda Guerra Mundial, porquanto grande parte dos equipamentos e materiais eram importados da Europa. O projeto foi simplificado mas, mesmo assim, as obras foram praticamente paralisadas.
NA foto antiga,observam-se os trilhos que conduziam pessoal e material para as obras da barragem
 Temos de fazer a observação de que, no ano de 1909, a Empresa Guinle saiu do projeto, transferindo a sua concessão para a Companhia de Energia Elétrica.
 Então, conforme vimos, com as obras praticamente paralisadas, o doutor Simas usando dos operários quase ociosos, realizou diversas obras urbanas em São Félix,e, a mais importante, o abastecimento de água potável para as duas cidades com a construção de uma pequena represa a cerca de quatro quilômetros da cidade da Cachoeira. Da referida represa, situada no local denominado pelo povão como "morro da caixa d'água", existe uma diferença de nível de aproximadamente 64 metros, sem gasto operacional, portanto, e, através de tubulação de ferro galvanizado,usando a gravidade natural, chegar até a Cachoeira e São Félix. 
A obra foi festivamente inaugurada em o dia 25 de outubro de 1914, durante a gestão do Intendente cachoeirano doutor Ramiro Vilasboas.
No período em que administrou a Cachoeira o médico Edson Rubem Ivo de Santana, o serviço de abastecimento passou para cargo da Embasa.
Em fevereiro de 1929, um grupo norteamericano assumiu o projeto que estava paralisado, tendo à frente o engenheiro Jerry O'Connel. A barragem tinha como único objetivo gerar energia, os problemas das enchentes do rio Paraguaçu continuariam.
O doutor Simas escreveu:
"O aproveitamento dorio Santo antônio, (afluente do Paraguaçu), seria uma solução simples e de hidráulica fluvial para a solução das enchentes".
 De cima para baixo,da esquerda para a direita: captação de água da barragem de bananeiras,o lago da barragem e um grupo de pesquisadores colendo a flora natural.

A barragem, cujo nome oficial era  o do engenheiro construtor Jerry O'Connel, não caiu no gosto popular que a chamava pelo primitivo Bananeiras, e que teve a sua usina de geração de energia desmontada pela Chesf em 14 de outubro de 1981.
Presentemente, a barragem de bananeiras ficou submersa após o enchimento do lago da barragem de Pedra do Cavalo.
 DE cima para baixo,da esquerda para a direita: A barragem de Bananeiras na enchente de 1947; o vertedouro da citada barragem em dia normal; Erivaldo Brito (sentado na grade do mirante) e o motorista Antônio Barbarino,e,finalmente,Erivaldo Brito inspecionando a barragem quando do enchimento do lago, com outros funcionários da Desenvale.



 



 
 
MEMÓRIA
Datas Comemorativas
No primeiro mandato do prefeito Ariston Mascarenhas, eu estava como seu secretário, e o professor Adjarva Dias era o presidente da Câmara de Vereadores. O Executivo e o Legislativo viviam em plena harmonia, Adjarva era um político de caráter conciliador, credenciava-se mesmo a ser um potencial candidato à sucessão de Ari.
Em conversa amistosa com Adjarva, certa feita, lembrava da importância da Câmara da Cachoeira em tempos idos, que ficava penalizado de assistir as sessões com o plenário vazio, que a afluência do povo se dava apenas no 25 de Junho, data magna da cidade.
 Como conversa puxa conversa, evoluímos por criarmos datas comemorativas que a Edilidade cachoeirana poderia celebrar: Dia da Enfermeira (12 de maio) quando Ana Nery seria lembrada; Dia do Advogado (11 de agosto) data do aniversário do jurisconsulto Augusto Teixeira de Freitas; Dia do Engenheiro (11 de dezembro) para rememorar André Rebouças, todos os três filhos ilustres da Cachoeira.
A Câmara tem o seu próprio orçamento, não precisa pedir nada ao Executivo, então ficou fácil, o Legislativo podia convidar palestrantes de renome e hospedá-los.
A grande preocupação do amigo Adjarva era o público não comparecer, mas eu lembrei a ele que sendo ele professor, poderia falar para o alunado que o tema da palestra seria tema para provas de história e português.
No Projeto de Resolução aprovado, constava, ainda,além das datas citadas, o Dia do Médico (18 de outubro) e o Dia do Gari (16 de maio).O sucesso foi absoluto
O Dia do Gari foi, para mim, um evento sem precedente, porque o prefeito resolveu levar todos os funcionários da limpeza pública para "grutar", um neologismo da época que significava ir almoçar no restaurante Gruta Azul.
 
Na foto acima, à esquerda, o professor Adjarva discursando, e na foto seguinte, o secretário Erivaldo Brito saudando os garis em nome do poder executivo.
E para encerrar, você sabe a origem da palavra gari? No século vinte, o francês Aleixo Gary ganhou a concessão para executar a limpeza pública da cidade do Rio de Janeiro. A população carioca passou a designar aqueles trabalhadores domo "os rapazes do Gary".
 
ESTA FOTO do ano de 1935, vemos a chegada do vapor Paraguaçu na ponte de embarque e desembarque da Companhia de Navegação Bahiana (assim mesmo com "h"). Vemos alguns passageiros desembarcando, o carregador, descalço,  levando uma mala na cabeça, e o soldado de polícia armado de fuzil com aquelas botas de canos longos.
ALIMENTAÇÃO
Metendo o pé na jaca
Há 310 anos passados, em 1705, portanto, era criado o povoado de São Pedro do Monte de Muritiba, elevado, depois, em 8 de agosto de 1919 aos foros de cidade com o nome de Muritiba.
Falar de Muritiba é associar ao fruto da jaca que nos remete à minha infância nos dias de veraneio dos meus pais na casa da Vó Lalu, na Rua do Sertão, uma casa enorme com quintal enorme e, no meio das fruteiras,uma enorme jaqueira.
Na quarta-feira passada, bem cedinho, fui ao Bairro Peixoto, aqui no Rio, onde se realizam as feiras livres. Um feirante em especial chamou-me a atenção exibindo uma bela jaca. Uma dona de casa aproximou-se e perguntou:
- Está bem verde?!
Não se assuste, galera, a moda aqui, aqui só se fala em jaca verde e a dona de casa esclareceu a minha, a sua, a nossa curiosidade:
- Estando bem verde, a jaca não tem o sabor doce, então, á como se fosse um legume especial, e é usada em pratos salgados, a polpa é desfiada como frango, substitui o frango!
Desde criança eu sabia que da jaca tudo se aproveita além da polpa. A casca serve para alimentar animais,o miolo visguento a garotada usava como isca para pegar passarinhos e os caroços cozidos em substituição ao feijão branco.
Aprofundei-me no estudo da jaca. Aprendi que o fruto possui fitonutrientes que protege os consumidores de doenças degenerativas, inclusive o câncer, que é rico em vitaminas, ferro (que previne a anemia), potássio (que regula a pressão arterial), ácidos graxos(para eliminar os fungos intestinais) etc. etc.
De aparência rústica, mal-ajambrada, vale a pena meter o pé na jaca e consumí-la sem receio. 

 
Aconteceu 
O lutador de Jiu-jitsu, Edivaldo José Lopes,(foto) da cidade de Altamira, no Pará, cantou uma mulher casada e se deu bem, levou-a para transar num motel. Em lá chegando, antes do vuco-vuco, pediu consentimento para filmar toda a saliência, só que a mulher, claro, não era burra para permitir que o vídeo fosse postado na Internet. Então, quando ela viu a burrice,correu para uma delegacia e registrou o BO, dizendo-se constrangida diante da sua exposição pública.
Depois disso, Edivaldo começou a ser ameaçado de morte mas não deu crédito, afirmando que o marido era "um cabrão ciente e consciente". Acabou sendo assassinado por duas pessoas que em cima de uma moto dispararam os tiros fatais.
A polícia suspeita que o mandante foi o marido traído. 

A professora Irene Isabel Khan,(foto) que lecionava em uma escola de ensino médio de West Melbourne, na Flórida (EUA),  a três anos por ter feito sexo com um aluno de 15 anos, fez um acordo e conseguiu reduzir a pena de 30 anos, ao assumir a responsabilidade sobre o ato praticado. Agora, ela vai cumprir 3 anos de serviços comunitários e mais 10 anos em liberdade condicional e seu nome consta de "Relação de Agressores Sexuais do País" o que a impede de vestir qualquer fantasia como a de Mamãe Noel pelo fato de que pode" impactar crianças e adolescentes." 

Foi um susto danado que provocou a explosão ocorrida no edifício Canoas, em São Conrado,(foto) aqui no Rio. Os peritos diagnosticaram  que a destruição de vários apartamentos ocorreu por causa de um escapamento de gás no apartamento 1001 onde morava o alemão Markn Mário Muller que ficou bastante ferido e levado para o hospital.
A versão do alemão é que o seu apartamento foi invadido mas os policiais apuram que na noite da tragédia, o germânico recebeu a visita de um garoto de programa. Chi!

O Brasileirão está na segunda rodada e já dois técnicos dançaram: Filipão Sete a Um e o do meu Tricolor, Drubseky que não deu nem tempo de decorar como é que se escreve o seu nome. Só lembrava que terminava em KY, marca conhecida de conhecido produto para saliência.
Para substituir o técnico que durou apenas oito jogos, o Fluminense chamou Enderson Moreira que por sinal já esteve no time e é tido pela diretoria como "o técnico de sucesso numa fase vitoriosa do clube".
Por que, então, foi demitido, antes?

Foi preso o menor acusado de ter matado a facadas o médico na Lagoa Rodrigo de Freitas, aqui no Rio. O crime ganhou repercussão nacional. O "de menó", segundo a polícia, começou a praticar crimes aos 12 anos e idade, e tem atualmente 16 e 15 anotações criminais em sua folha corrida.
As perguntas que não querem se calar: ninguém da família desconfiava de nada? O problema é a menoridade penal? O que o Estado vai fazer para colocar um ponto final em tudo isso? Depois da morte do médico, já ocorreram mais quatro ataques à faca.
Existe um projeto mofando na Câmara que criminaliza o porte de arma branca, e, agora, após 11 anos, parece que vai ser discutido e provavelmente aprovado.
 









 






sexta-feira, 15 de maio de 2015

 
'CAUSOS' VERÍDICOS
Edmílson, o bon Vivant
Alguém bateu palmas no portão da minha casa, na Vila Residencial de Muritiba. Fui atender. Era um colega que começou a falar baixinho para que a minha saudosa esposa, Luiza, não ouvisse, afinal ela estava vindo de uma cesariana com a chegada do meu caçula, Tinho Brito, e a notícia não era alvissareira:
- Brito, Edmílson tomou um tiro !
- Tomou um tiro, como?!
Afinal, Edmílson (foto ao lado) havia tomado juízo, não era mais um paquerador, um "galinha" depois que contraiu núpcias com uma moça muritibana, filha do popular "Bicicleta". E o meu iterlocutor completou a informação:
Quando ele foi apanhar um botijão de gás que ele foi comprar em Fagundes para servir a uma vizinha, o revolver caiu da sua cintura e um tiro atingiu o seu abdômen. 
A Vila Residencial entrou em polvorosa, Edmílson era muito querido. A agonia na busca de socorro nos hospitais vizinhos foi partilhada por todos, até que a notícia de que uma hemorragia interna o levou para a Glória.
 Durante a construção da barragem de Pedra do Cavalo, por diversas vezes, Edmílson foi o motorista nas minhas locomoções. Quase sempre ele "dava um nó", ou seja, mudava o roteiro ao seu bel prazer, quase sempre indo até Governador Mangabeira, na zona rural, no imóvel pertencente a Família Mota. Na casinha que ele usava,quando solteiro, era de espantar o número de calçados que ele possuía. Tinha mania por sapatos.
Numa dessas idas, ele me amostrou um exemplar antigo da revista "O Cruzeiro" com uma reportagem focalizando um parente dele que possuía mais de dez mulheres e que moravam naquele local, todas juntas com filhos e tudo o mais. Pareceu-me que ele tinha um certo orgulho da façanha do seu parente, mas, um fofoqueiro da barragem me contou que aquele "herói" depois de idoso resolveu "mudar o disco", ou seja, virou gay! Claro que eu não falei disso com o meu amigo.
Dois episódios envolvendo Edmílson fazem parte da minha lembrança de "causos" bem humorados. O primeiro a gente vinha de Maragojipe e, na altura do mercado municipal da cidade de São Félix, quando de repente saiu de uma porta um sujeito correndo com uma mulher com uma faca na mão. O cara seria atropelado se viéssemos em velocidade. Edmílson freou a kombi, mesmo assim o cara se bateu na porta bem do meu lado. Edmílson saiu da kombi, examinou calmamente a porta enquanto a mulher passou a xingá-lo: 
- Moleque! Vagabundo! Irresponsável !
Edmílson retrucou:
- Você é que é irresponsável...
- A Desenvale só tem motorista maluco.
- Você é que é maluca.
- E você motorista irresponsável
- E você é uma vadia!
E o marido entrou pra desapartar:
- Querida, o rapaz tem razão, afinal a gente estava brincando...
E a mulher mudou o foco, enquanto Edmílson saia do local cantando os pneus:
- Você está sempre contra mim...
O outro episódio aconteceu num dia de domingo, o plantão era meu e ele foi me buscar. Sem dar uma palavra mudou o roteiro e eu perguntei:
- Edmílson, posso saber pra onde é que nós vamos? 
E ele respondeu:
- É rapidinho.
Chegamos mesmo rapidinho. Na porta  da casa ele parou e não parou de buzinar até que apareceu na janela um senhora vestindo uma camisola que mal dava para esconder os enormes mamilos, cabelos nas alturas, despenteados e a cara de poucas amigas. Como estava do meu lado cumprimentei-a e ela nem "tum", não respondeu. Edmilson se esticou todo e perguntou com firmeza:
- Cadê fulana?
E ela:
- Tá "durmino"
- Doeme mais do que a cama que coisa hein? Não pode chamar ela pra mim, não?
- O "sinhô" tem noção da hora que o "sinhô" "truxe" ela pra casa, "onti" ?
- Não sei e tenho raiva de quem sabe!
- Já passava das duas!
E a senhora completou com um gesto da época, passando a mão na garganta fingindo que ía cortá-la:
- Eu "tô" "cum" o "sinhô" "pur" aquí...
E ele na maior cara de pau:
- Na hora de cagar a senhora vai ver o que é bom pra tosse!
E arrastou a kombi "cantando" os pneus mas deeu pra gente escutar ela mandando ele tomar naquele lugar enquanto ele ria descontroladamente.
Edmílson Mota é outro personagem inesquecível da minha vida.
 





 
 
BREVE PERFIL BIOGRÁFICO
Antônio Loureiro de Souza
Filho do abastado fazendeiro Adolpho José de Souza e dona Laura Loureiro de Souza, nasceu Antônio Loureiro de Souza em o dia 13 de junho de 1913, na cidade da Cachoeira,na Bahia, num casa enorme na Rua da Conceição do Monte, hoje pertencente a família Pinheiro.
A sua vocação para as letras começou bem cedo, quando residia na cidade de Castro Alves, quando, juntamente com o seu primo Antônio Loureiro de Brito (meu pai), eles criaram um jornalzinho feito a mão com letra de fôrma a quem deram o nome de "A Época" O aludido trabalho dos dois futuros jornalistas circulava entre os familiares.
Pouco tempo depois, meu pai veio para a Cachoeira onde ingressou como tipógrafo nas oficinas de "A Cachoeira" enquanto o nosso biografado, ainda na cidade de Castro Alves, criava o jornal "O Tempo",em parceria com J.Burgos de Menezes.
Da esquerda para a direita: Zelinda Maciel, seu filho Clóvis e Laura Loureiro, mãe do nosso biografado.
Quando os seus pais voltaram a fixar residência em sua terra natal, Loureiro colaborou com artigos assinados em "A Cachoeira", "O Pequeno Jornal", "A Ordem" e foi um dos principais redatores de "O Social".
Em 23 de abril de 1934, na Igreja do Monte, mesmo local em que fora batizado, Loureiro contraiu núpcias com a senhorinha Elza Cajazeira em ato celebrado pelo padre José Mato Grosso. O ato civil, realizado na residência do coronel Joaquim Pimentel, foi presidido pelo desembargador Sálvio Oliveira Martins.
Fixando residência na capital do estado, o ilustre cachoeirano foi secretário de redação de "A Tarde", foi coordenador de cursos da Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação da UFBa, Diretor do Arquivo Histórico da Prefeitura do Salvador, Diretor do Departamento de Turismo, Superintendente da Difusão de Cultura do Estado, Diretor da Revista e membro do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia, e membro da Academia de Letras da Bahia.
Da sua vastíssima produção literária, dos incontáveis artigos publicados em jornais, destacamos os seguintes livros: "Baianos Ilustres", "Notícia Histórica da Cachoeira", e "A Poesia emocional de Pedro Barros"
Devido à sua vasta cultura e conhecimento histórico, o professor Loureiro teve o privilégio de ter sido orador oficial da sessão magna do 25 de junho nas gestões dos prefeitos,Anarolino Pereira (1950), Julião Gomes dos Santos (1959) e Ariston Mascarenhas (1982).
Há 26 anos passados, na madrugada do dia 29 de abril de 1989, após vários dias de internação no Hospital Português, o professor,jornalista,acadêmico e historiador cachoeirano Antônio Loureiro de Souza veio a falecer, deixando viúva e os seguintes filhos: João, Bernardo,Fernando,Nair e Luiz.
 O sepultamento, no Jardim da Saudade aconteceu no domingo, 30 de abril, após missa de corpo presente oficiada pelo capelão do cemitério,num clima de grande emoção, fazendo o panegírico o poeta Clóvis Lima e Consuelo Pondé de Sena (seus colegas da Academia de Letras), senhora Terezinha Café, e, por fim, em nome da família, agradeceu as homenagens póstumas o seu filho,Bernardo.
Eis um breve perfil de um cachoeirano que em vida, por onde passava, só deixou admiradores e amigos, enaltecendo, sempre, a sua terra natal devendo, por isso mesmo, figurar na galeria dos cachoeiranos notáveis.
 

 

 


 
AS FOTOS ACIMA são de uma película filmada na Cachoeira no ano de 1935. Podemos ver que a feira livre era realizada na antiga Praça dos Tamarineiros (depois Praça da Regeneração e atual Dr.Milton).
Na sequência, de cima para baixo, da esquerda para a direita,podemos verificar as casas que existiam no local e foram reformadas,e, na última foto, a chamada na época "casa da farinha" que foi demolida para a construção do prédio dos Correios e Telégrafos.
ACONTECEU 
UM VEREADOR do município de Parauapebas,(foto) no sudoeste do estado do Pará, ganha em média uns dez mil reais, por mês, mais R$ 2.800,00 para despesas de combustível, e mais R$ 1.000,00 para despesas com telefone, totalizando, galera, em uma bagatela de R$ 13.813,00. Mas, não é que o nobre Edil,Odilon Rocha declarou em plenário que,"o valor que o Vereador ganha aqui, se não for corrupto, ele mal se sustenta durante o mês"...
Sujeito cara de pau! É por essas e outras que a sociedade não confia nos políticos brasileiros, conforme apontam todas as pesquisas de opinião.

SAIU UM EDITAL do Ministério da Saúde, "determinando a presença do senhor Hélder Barbalho a fim de prestar esclarecimentos". Foi então que aconteceu um problema de difícil solução; como localizar o senhor Hélder? Um dos assessores do Ministério da Saúde chegou a anotar no documento: "destino ignorado".
O senhor Hélder (foto), trabalha exatamente ao lado dos burocratas da Saúde, é o ministro da Pesca! Se eles tivessem consultado o Google... 

MAIS UMA PEÇA de humor político: em São Paulo, a Gráfica Casa Verde forneceu R$ 22 milhões de material impresso para o PT e R$ 1,5 para o PSDB, sem que ao menos possua uma impressora sequer!
O fato constatado pelo Ministério Público, deu ao proprietário da Casa Verde (que tem o nome de dois craques,Beckenbauer/Rivelino) o título de campeão mundial de emissão de notas fiscais...frias!

A DOLEIRA NELMA KODAMA (foto) deu um show de cinismo no circo da CPI. Ao relatar o seu romance com o doleiro Youssef, cantarolou meio desafinada o "Amada Amante" e deu "Detalhes" de como conseguiu colocar duzentos mil euros na calcinha.
Condenada, já, a 18 anos de tranca nos processos da Lava-Jato, Nelma ainda declarou que a apuração das tenebrosas transações que colocou a Petrobras no chão "parou o país, porque o Brasil é movido a corrupção"

PARA QUEM PENSA que essa mania do uso exagerado do celular é coisa de brasileiro, que não larga o aparelinho nem que a vaca tussa, num hospital particular de Amã, na Jordânia, durante uma cesariana, o ilustre esculápio deixou o seu telefone ligado, dentro da barriga da parturiente!!!
Já em casa, a pobre moça começou a sentir dores horríveis no abdômen. Levada ao hospital, o exame de raio-x revelou o óbvio: a moça teve de ir para o setor de emergência a fim de ser operada para apanhar o celular do médico esquecido.


 













Fala,galera!

MARAGOJIPE
Igayara Indio Indio É uma lástima.A terra de Antonino Espírito Santo,Heráclito Guerreiro,Amando Nobre,Antonio Luz e outros grandes Mestres
Lourival Augusto de Santana E isto repercute nas cidades vizinhas. Muritiba, por exemplo, tinha cerca de cem trabalhadores que eram empregados do Estaleiro e agora vivem o drama do desemprego. O comércio local mesmo já se ressente disto, afinal são cerca de R$150.000,00 que deixam de circular na cidade. Lamentável, pois a corda só arrebenta no lado do mais fraco.
MEMÓRIA
O ASSASSINATO DO DELEGADO EDELSAIAS
Mariluce Alves Saudades dele
Patricia Alem Hum...Lembro muito dele.. .bravo que só ele.
Frankland Leal Dos Santos Uma figura que se tornou um mito da Cachoeira! 
João Matos Figueiredo Como está morto, prefiro o silencio.
O FALECIMENTO DE MORENITO  
João Matos Figueiredo Gostava muito de conversar com ele. voz macia e tranquila.
BOBOCO E JORGE DA ARARA
Moise Moraes  Hoje salão de beleza é bons tempo
Antonio Moraes Ribeiro  Jorge da Arara é um personagem de Cachoeira que nunca deve ser esquecido. 
Lídia Alice Félix Félix Verdade...Nossa, comprei tantos doces e o de jenipapo, eu,pequenininha já comprava lá. Gostava muito dele.
Luci De Oliveira  Adorava o doce de jenipapo do seu Jorge Ele nao pode Jamas ser esquecido, faz parte da Cultura de Cachoeira