sexta-feira, 4 de setembro de 2015

MEMÓRIA
Pirâmide Financeira
Em mil novecentos e alguma coisa, eu iniciava a minha carreira de bancário, "pedinte de gravata" como se dizia à época, na cidade de Candeias, na Bahia.  Naquela ocasião, meninos e meninas, foi que tomei conhecimento e convidado para participar de uma "Pirâmide". Embora os petroleiros nadassem em dinheiro, quem é que não gosta e não está movido por multiplicar o que já tem?  Eu não entrei na brincadeira porque não acredito em promessa de dinheiro fácil, os antigos já diziam que dinheiro não dá em árvore nem cai do céu. Esta é a voz da razão e não a do coração.
A tal "Pirâmide" funciona necessariamente com a adesão de outras pessoas, o ganho se dá com o recrutamento de mais e mais gente, o dinheiro percorre aquela relação de pessoas. Quando as adesões acabam, a "Pirâmide" despenca. Na realidade, apenas o idealizador (primeiro da lista) é que se dá bem.
Recentemente o golpe reapareceu com a roupagem da Internet, disfarçado  em repassar marketing de um produto fictício. O negócio continua simplesmente insustentável, você só obtém lucro quando ocorrerem novas adesões, novos membros, ou seja, em determinado momento  não haverá número suficiente e "a corrente abrirá".
Não sei como é que tanta gente ainda se deixe levar por esse crime contra a economia popular pelo simples desejo de ganhar dinheiro fácil.




   
Carmen Barros

Tenho acompanhado nosso blogger e volto ao túnel do tempo. Você outro dia postou sobre circo e falou de Vanete Pinheiro. Me lembro do episodio . Dei muita risada! Vanete era casado com minha irmã Ana. Abraços.
 


 

Um comentário:

  1. Meu amigo Brito seu blog é informação e cultura. Todo mundo com isso sai ganhando . Um grande abraço à esse ilustre filho da Bahia Cachoeirense.

    ResponderExcluir