sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

AGRICULTURA CACHOEIRANA
Cana de Açúcar
Existem registros de que os chineses utilizaram-se da cana como suplemento alimentar, isso há mais de 5 mil anos! Os chineses bem que tentaram solidificar o caldo da cana pelo processo de secagem sob o calor do sol mas...não conseguiram!
A técnica foi desenvolvida na Índia, por volta do 5º século e levou o nome de sarkara (areia grossa) que acabou recebendo o status de especiaria, coisa exclusiva para a nobreza. 
Os estudiosos do assunto afirmam que a cana é oriunda da Ásia, depois, no período das Grandes Navegações, acabou sendo cultivada nas Ilhas da Madeira, Canarias e no Brasil.   
A cultura da cana de açúcar, foi um dos fatores que fizeram o desenvolvimento sustentável da economia cachoeirana  nos tempos do Império, quando florescia uma das importantes vilas brasileiras: Cachoeira !
José Joaquim de Almeida e Arnizau, publicou em 1° de julho de 1825, a sua "Memória Topográfica, Histórica, Comercial e Política da Vila da Cachoeira da Província da Bahia" Na referida obra, vamos encontrar às páginas 133 e 134 o seguinte:
"... o Iguape, pouco mais de 5 léguas de distante de Santo Amaro da Purificação e 3 da Cachoeira,a quem pertence este novo Éden ou Paraíso Terreal", e, mais adiante, "o massapê, ou terra negra e forte". Sobre os Engenhos de moagem, Arnizau elenca que entre O Iguape e São Francisco existiam "vinte Engenhos, tendo cada um deles de 100 escravos para cima".
Antiga casa sede de uma propriedade agrícola no distrito de Santiago do Iguape, município da Cachoeira.

O Brasil tornou-se um gigantesco produtor, hoje a metade do açúucr vendido no mundo é brasileiro. E o açúcar que era produzido na Cachoeira? E os Engenhos? As terras, o massapê decantado do Iguape e São Francisco não é mais o mesmo?
Se os detentores de terras cachoeiranas se interessassem  em plantar de novol a cana e aprodução superabundasse, haveria a hipótese de algum empresário instalar uma usina, pelo menos uma de novo?
Custa acreditar, galera, que diante de tantos exemplos de como é que se produz riqueza e desenvolvimento a gente se contente apenas com as glórias do passado. Isso é importante,, sem dúvida,mas, é necessário que vivamos o presente olhando o futuro.



                                


MÚSICA

O aniversário da Minerva                 

No dia 10 do corrente, a filarmônica Minerva completou 138 anos de ininterruptas atividades, não apenas musical mas,em todos os momentos sociais, não apenas nos momentos de alegria mas, sobretudo nos momentos de pezar. É assim que funciona e se credencia uma sociedade de respeito.
O idealizador, fundador e regente durante bom tempo foi o maestro Eduardo Mendes Franco, cachoeirano nascido em 28 de dezembro de 1852. Tinha, portanto, 26 anos de idade quando fundou a Minerva, inicialmente com o nome de Comércio.
Professor de música, Eduardinho, - como era carinhosamente chamado -, foi, também, um dos fundadores de outras filarmônicas, inclusive a Orfesina Cachoeirana hoje extinta, e era, também, regente da Orquestra da Ajuda.

Eduardo Mendes Franco compôs várias músicas para Grupos Corais e filarmônicas. Infelizmente morreu cede, aos 54 anos de idade, na madrugada do dia 26 de maio de 1906,há 110 anos passados, portanto.
Na galeria dos presidentes da Minerva destacamos, por ordem alfabética, alguns cidadãos: Américo Palma de Santana,.Aurelino Serafim,.Artur Marques, Bráulio Marques, Cândido Vacarezza, Carlos Vieira, Padre Fernando Carneiro, Graciliano Lima, Juvenal Paim, Ricardo Pereira e Virgílio Reis, com destaque para duas famílias das mais tradicionais da Cachoeira: Major Ursecino e Manoel Martins Gomes (Manoelzinho). que, ao falecer tão prematuramente,  foi substituído pela sua esposa a professora Yolanda, a primeira mulher a assumir a presidência da Sociedade, vindo, em seguida, o primogênito da família, doutor Evandro. Tenho notícias que o atual presidente é o professor Rogério Almeida.
A banda teve vários regentes de renome: Esmeraldo São Bernardo, Francisco Cardoso Fróes e Pedro Bezerra. Do meu tempo, lembro-me, no momento, de Manoel Cristiano Silva (Engenheiro), Clarício Marques e Felisberto Silva (Ganso).
Dois tios meus por parte da minha mãe foram músicos da Minerva: Edgar (que faleceu vitimado por um acidente automobilístico) e Deocleciano (Dió), por isso é que a Minerva esteve presente na solenidade do casamento dos meus pais e chorou conosco nos momentos de pezar.
Tive o prazer de conviver e ser amigo de diversos músicos da filarmônica: Bernardino, Luiz, João Balaio,Cessemiro, Chico Trompa, Mundinho,Chendengo, Índio e o bombista Munda, recentemente falecido, segundo soube.
Daqui a 12 anos, em 2.028, mercê de Deus a   Minerva Cechoeirana  estará completando o seu sesquicentenário, feito que poucas sociedades no Brasil conseguiram alcançar. Não é prematuro fazer-se de já um bom planejamento.
---------------------------------------------------------------------------------------------
NA FOTO MAIOR:
1 - Munda 2- Índio 3 - Manoel Martins Gomes (Manoelzinho) e 4 - Professora Yolanda Pereira Gomes;
______________________________________________________







Manhã de 7 de abril de 1929, a Sociedade Lítero Musical Minerva Cachoeirana desfilava pelas ruas da cidade após a missa gratulatória na Matriz de Nossa Senhora do Rosário, pela posse da sua nova diretoria.
Na foto acima, o préstito estava passando  pela Rua 13 de Maio com destino à sede social.

Num leilão realizado pela Casa Catawiki, um preservativo de cerca de duzentos anos foi arrematado por aproximadamente R$ 2.700,00 !
A camisinha antiga era feita de intestino de carneiro ou então vísceras de outros animais como a cabra, o porco ou bezerros. Somente os ricos é que podiam comprá-los, pois custavam caros. 

Dennis Hof, dono de um bordel em Nevada, foi quem teve a original ideia de organizar o "Hookers 4 Hillary", um grupo de  490 "prostitutas legais", devidamente registradas na que é tida como a mais antiga das profissões que apoiam a pré-candidata à presidência dos EUA, Hillary Clinton.

O Supremo Tribunal Federal decidiu dar um basta à procrastinação que atende pelo nome de "trânsito em julgado", que é, na realidade, uma série de medidas utilizadas para arrastar o processo por vários anos, não raro décadas, sob a alegação de presunção da inocência do condenado. E os direitos da sociedade?
A mudança foi radical e elogiável. A condenação em segunda instância a prisão é imediata mas isso não significa nenhum prejuízo ao direito de defesa do réu em cana.

O senador Delcídio do Amaral não foi condenado, ainda,nem tampouco perdeu o mandato, está licenciado e manda recados para o PT que não aceitará a cassação do seu mandato. Chi!

Em Canarana, a 838 quilômetros de Cuiabá, um grupo de índios da etnia Xavante, bloqueou trecho da BR-158. Os indígenas estão exigindo "pedágio" de até trezentos paus!
Já se foi o tempo em que o índio só queria apito!

O Planalto está alarmado com a chamada Operação Acarajé e com a prisão do marqueteiro João Santana, ou simplesmenter "Feira", de acordo com anotações de Marcelo Odebrecht.
O marqueteiro da campanha de reeleição de Lula, eleição e reeleição de Dilma reagiu dizendo que o país vive clima de perseguição.

O programa do PT que foi levado ao ar na última terça-feira, gerou protestos em 14 capitais do país. Os jornais daqui do Sudeste divulgaram que, quando da aparição deo ex-presidente Lula o panelaço aumento de intensidade.
O programa do PMDB exibido na quinta, mais parecia de oposição. Enquanto isso, Dilma falou para os mais próximos que não irá à festa do PT. 

Causou indignação geral o sorriso da senhora Mônica Moura, esposa do marqueteiro João Santana que apareceu mascando chiclete ao ir presa para prestar declarações na chamada Operação Acarajé.
A pergunta é a seguinte: ri de quê? O escarnio, o cinismo debochado e desrespeitoso neste momento tão grave que atravessa o país é fazer-nos de "palhaços" nesse circo dos horrores.
O marido, João Santana, não sabe a origem dos US$ 7,5 milhões que estão na sua conta no exterior!!!
Diz um velho adágio que "ri melhor quem ri por último". Tomara.









                          




sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016


PESQUISA
A iluminação Pública da cidade da Cachoeira

No início dos anos oitocentos , não existia iluminação pública na Cachoeira. Nas casas comerciais e hotéis a iluminação era feita com candeeiros alimentados por carbureto. As casas dos mais abastados existiam lâmpadas importadas cujo combustível era a gasolina além dos candeeiros alimentados por querosene.
Transitar pelas ruas da Cachoeira só nos dias de lua cheia. Eram muitos os assaltos e assassinatos, a Cachoeira era um entreposto comercial fluvial, a população flutuante era expressiva.
Em 20 de maio de 1845, a Câmara aprovou a lei provincial de nº 226 para a instalação de lampiões cujos trabalhos foram conclusos dois anos depois, no dia 7 de setembro d 1847, para sermos exatos. Sete anos depois, em 1854, foram instalados mais 50 unidades dos lampiões.
No dia 12 de janeiro de 1861, devido aos constantes furtos, o Conselho Municipal tomou uma decisão drástica e polêmica: mandou retirar todos os lampiões públicos.Com a grita geral, logo logo tudo se normalizou com uma novidade: foram colocadas torcidas de algodão embebidas em óleo de baleia. O povo considerou como sendo "um precioso melhoramento".
Em 1º de agosto de 1888, o Conselho implantava os lampiões com lâmpadas belga (querosene), relíquias que iluminaram a Cachoeira no tempo do Império cujo exemplares vemos ainda nas fachadas da igreja matriz e no antigo Paço Municipal.
Em 1913 a novidade eram os geradores à Diesel que iluminavam a Usina Vitória, a ponte D.Pedro II, a Estação da Leste e, claro, o Cine Teatro Cachoeirano.
 

Finalmente, meus amigos, no dia 6 de fevereiro de 1930, graças aos esforços do então Intendente (cargo que corresponde ao Prefeito, atualmente), Cândido Cunegundes Barreto (foto) , era festivamente inaugurada a iluminação pública com energia gerada na hoje submersa Barragem de Bananeiras.
Os trabalhos tiveram início em 26 de novembro de 1928, foram precisos, portanto, dois anos para a conclusão da obra. 
Foto panorâmica tirada da cidade de S.Félix. Na foto seguinte (de baixíssima qualidade pois foi tirada a noite há 86 anos passados) aparece uma gambiarra na praça Teixeira de Freitas e alguns transeuntes vestidos à rigor com chapéu de palhinha e tudo, prestigiando o ato da inauguração.   

Cândido Cunegundes Barreto governou a sua terra natal num curto período, de 1928 a 1930. Ele era um próspero pecuarista, comerciante e exportador de carnes, nascido no Capoeiruçu em 3 de março de 1875, e faleceu na Cachoeira no dia 30 de março de 1931, aos 56 anos de idade, um ano após ter inaugurado a iluminação pública da cidade.
 
 

 

 

Guerra  ao  mosquito


Não tenho lembrança de outro assunto que tenha ocupado tanto espaço na mídia do que o Zika, Aedes Aepypti e Chikungunya. 
Blá-blá-blá, discursos feitos por marqueteiro para a televisão, as Forças Armadas ajudando no combate etc e tal.Todo mundo dando pitaco, cientistas do mundo inteiro empenhados numa vacina, a Organização Mundial de Saúde recomendando "sexo seguro" em áreas com o Zika e até o papa, devido as circunstâncias, declarou que a saliência pode ser feita com camisinha!
Eu achei muito engraçado quando eu li que o mosquito adora suor e chulé! Se o camarada tomar banho, estiver perfumado ele cai fora.

Vamos voltar ao passado. Para combater o mosquito antigo, que a gente chamava de muriçoca, o presidente Rodrigues Alves (foto) convocou o jovem sanitarista Osvaldo Cruz. O pobre do Osvaldo sofreu o diabo, inclusive da imprensa, por causa da sua campanha de vacinação. A capital da República era o Rio de Janeiro, a revolta nas ruas teve quebra-quebra e muito tumulto.
Quando eu era menino existiam os Mata-mosquitos. Era meu vizinho um deles chamado seu Alfredo, pai dos meus amigos de infância Anildo, Arivaldo e do colega bancário Rubens Queiroz. 
Com o nome pomposo de Agente das Endemias Rurais, aqueles servidores colocavam uma bandeira amarela na porta de entrada, iam logo nos quintais, com um martelinho furavam as latas que encontrasse. Dentro da casa, verificavam com uma lanterna a água dos porrões. Naqueles tempos poucas pessoas possuíam geladeiras, a água ficava geladinha no porrão e nas moringas compradas em João Caboclo. Quando o Agente saía, anotava a visita num formulário que ficava colado no fundo da porta da rua.
A velha muriçoca fazia parte da cadeia alimentar de rãs, sapos e pássaros. O tal do Aedes foi beneficiado não apenas com a falta de saneamento básico. O desmatamento, as queimadas fizeram desequilibrar o que a Natureza criou, salvo melhor juízo.
As muriçocas atacavam durante a noite. Quando trabalhei em Candeias, valia-me de um mosqueteiro. A muriçoca faz um barulhinho danado em nosso ouvido, a sua picada doi pra caramba, o tal do Aedes tem hábitos matutinos, a sua picada é indolor porque a saliva dele produz um anestésico.
Diante do assustador número de casos de microcefalia, o presidente Obama prometeu arrumar US$ 1,8 bilhão para pesquisas enquanto a ONU decretou emergência internacional.
Diante de tal conjunbtura, lembrei-me de um colega da faculdade, um adepto da "teeoria da conspiração". A morte Juscelino, Jango, Lacerda, tudo fazia parte da tal "teoria" tendo por trás a CIA. E ele olhava para um lado e para o outro como se estivesse procurando alguem escondido:
- Seu Brito - dizia ele quase cochichando -, eles estão por todas as partes !
Com certeza, amigos, ele iria dizer que o Aedes foi criado em algum laboratório da CIA.