sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016


PESQUISA
A iluminação Pública da cidade da Cachoeira

No início dos anos oitocentos , não existia iluminação pública na Cachoeira. Nas casas comerciais e hotéis a iluminação era feita com candeeiros alimentados por carbureto. As casas dos mais abastados existiam lâmpadas importadas cujo combustível era a gasolina além dos candeeiros alimentados por querosene.
Transitar pelas ruas da Cachoeira só nos dias de lua cheia. Eram muitos os assaltos e assassinatos, a Cachoeira era um entreposto comercial fluvial, a população flutuante era expressiva.
Em 20 de maio de 1845, a Câmara aprovou a lei provincial de nº 226 para a instalação de lampiões cujos trabalhos foram conclusos dois anos depois, no dia 7 de setembro d 1847, para sermos exatos. Sete anos depois, em 1854, foram instalados mais 50 unidades dos lampiões.
No dia 12 de janeiro de 1861, devido aos constantes furtos, o Conselho Municipal tomou uma decisão drástica e polêmica: mandou retirar todos os lampiões públicos.Com a grita geral, logo logo tudo se normalizou com uma novidade: foram colocadas torcidas de algodão embebidas em óleo de baleia. O povo considerou como sendo "um precioso melhoramento".
Em 1º de agosto de 1888, o Conselho implantava os lampiões com lâmpadas belga (querosene), relíquias que iluminaram a Cachoeira no tempo do Império cujo exemplares vemos ainda nas fachadas da igreja matriz e no antigo Paço Municipal.
Em 1913 a novidade eram os geradores à Diesel que iluminavam a Usina Vitória, a ponte D.Pedro II, a Estação da Leste e, claro, o Cine Teatro Cachoeirano.
 

Finalmente, meus amigos, no dia 6 de fevereiro de 1930, graças aos esforços do então Intendente (cargo que corresponde ao Prefeito, atualmente), Cândido Cunegundes Barreto (foto) , era festivamente inaugurada a iluminação pública com energia gerada na hoje submersa Barragem de Bananeiras.
Os trabalhos tiveram início em 26 de novembro de 1928, foram precisos, portanto, dois anos para a conclusão da obra. 
Foto panorâmica tirada da cidade de S.Félix. Na foto seguinte (de baixíssima qualidade pois foi tirada a noite há 86 anos passados) aparece uma gambiarra na praça Teixeira de Freitas e alguns transeuntes vestidos à rigor com chapéu de palhinha e tudo, prestigiando o ato da inauguração.   

Cândido Cunegundes Barreto governou a sua terra natal num curto período, de 1928 a 1930. Ele era um próspero pecuarista, comerciante e exportador de carnes, nascido no Capoeiruçu em 3 de março de 1875, e faleceu na Cachoeira no dia 30 de março de 1931, aos 56 anos de idade, um ano após ter inaugurado a iluminação pública da cidade.
 
 

 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário