sábado, 25 de junho de 2016

Os festejos juninos constituem~se no maior evento popular nordestino, sobrepujado apenas pelo carnaval. 
Várias cidades baianas oferecem excelente infraestrutura, como na minha terra natal, Cachoeira. Porém, com a criação do "Arraiá da Capitá", com atrações de artistas consagrados, aconteceu o inevitável a que todos chamam de "concorrência desleal!"
Tenho bem viva na minha memória os festejos juninos, da mesa farta, iguarias feitas do milho verde, dos bolos de massa e puba, laranja, amendoim, cana merim, licores de jenipapo e maracujá, e até o "queijo de cuia" encontrados até nas casas mais humildes da periferia. Nesse caso específico, por ser o produto mais caro, criou-se a chamada "caixa", ou seja, o adquirente ía pegando mensalmente, desde o início do ano, O produto era pago "em módicas prestações"
Quando eu era  menino, o meu pai não deixava de comprar  traque Bury, Coió, Estrelinhas e outros fogos de artifício da marca "Caramuru, os únicos que não dão chabu!" no fabrico de vinagre de Francisco Pinto, pai do saudoso amigo Roque Pinto que deixou de vender fogos e vinagre em troca do famoso "Licor de Roque Pinto". Vendiam-se fogos na Cachoeira em vários lugares. No momento lembro-me de Moura Pinto e os dois Júlios: o Costa e Pedreira. 
Com a implantação da Feira do Porto, acabou-se para sempre as pessoas se visitarem. Até as músicas como aquelas criadas por Humberto Teixeira e Luiz Gonzaga, foram substituídas pelos pornoforrós do qual nada se aproveita. São músicas "água com assucar" de fácil assimilação, letras depravadas de duplo sentido e sem qualquer sentido poético. Os intérpretes então...
Que saudades quando a gente saía de porta em porta:
- São João passou por aê?!

                    DATAS       No dia 20 de junho de 1960, falecia em sua residência, na Praça da Aclamação, o cachoeirano Francelino Ferreira Mota, ex-tesoureiro municipal, filho do fundador do primitivo jornal "O Guarany "

A conquista definitiva da Taça Jules Rimet pela seleção brasileira de futebol foi festivamente comemorada na Cachoeira no dia 21 de junho de 1970. A referida taça, conforme sabemos,tempos depois,foi furtada e,segundo presunções, derretida. Os ladrões não foram identificados até hoje.

No dia 22 de junho de 1972, falecia o antigo músico da filarmônica Minerva, Bernardino Cordeiro. Sapateiro de profissão, Bernardino foi colega do meu tio Dió na citada filarmônica,e,por isso mesmo,meu amigo pessoal.
Havia uma história de que, numa partida de futebol no campo Ubaldino de Assis, Bernardino,(foto) tido na época como um ponta direita respeitado, havia batido um escanteio e, saindo em disparada, fez o cabeceio e fez o gol! Um gol digno de registro, portanto.
Logo que soube do caso pensei que o fato só seria possível no caso de ele ter chutado o escanteio e a bola ter se prendido num galho de oiti que estivesse ocupando o espaço aéreo do campo, então dava tempo de ele vir correndo e fazer o gol antológico.
Fui determinado a encontrar-me com Bernardino na sua sapataria que funcionava numa lojinha debaixo do prédio da Minerva, eu queria esclarecer se verdadeira a história que rolava na cidade. Bernardino, sorrindo, esclareceu:
- Filho de Jessé, isso foi uma invenção de Manoel do Pato !
Manoel do Pato é o mesmo que Manoel Neri, o saudoso Passarinho,centro avante da gloriosa seleção cachoeirana de futebol.

Depois de grande cheia do rio Paraguaçu, a ponte ferroviária D.Pedro II ficou a necessitar de urgentes obras,sobretudo no lastro em decorrência de serem levados pelas águas. No dia 23 de junho de 1961, o cidadão Jaime dos Santos Júnior, fical de rendas do estado, vindo de São Félix onde residia para Cachoeira, não observou o perigo e acabou caindo no abismo traiçoeiro, tendo morte imediata. Falou-se, depois, que poderia ter sido um assassinato devido as funções de fiscalização que ele exercia,todavia,nada se comprovou.

No dia 24 de junho de 1931, o frei Pedro Tomas Margello, benzia o altar de São João na Igreja do Carmo. A festa religiosa do São João era anualmente promovida pelas telefonistas de Cachoeira e São Félix.

Era executado pela vez primeira, em a tarde do dia 25 de Junho de 1922, durante os festejos da magna data da cidade, o Hino da Cachoeira de autoria do maestro cachoeirano Tranquilino Bastos (foto) e letra de Sabino de Campos. A execução foi feita pelas filarmônicas Lira Ceciliana, Minerva Cachoeirana, União Sanfelixta e Vitória de Feira de Santana,


HISTóRIA
Os primórdios da Independência Nacional
Depois do Rio de Janeiro,a Bahia era a mais importante Província da então colônia brasileira.
No Rio e na Bahia fervilhavam patriotas sonhadores, todos aspiravam pela independência, enfrentavam o bem estruturado Partido Lusitano. Por oportuno, convém lembrar a atuação do Clero, da maçonaria, dos proprietários agrícolas, das mulheres. da patuleia escrava filhos da África,e,também,muitos portugueses radicados no Brasil.
Em suas "Recordações Patrióticas", o advogado Rebouças escreveu o seguinte:
"Fevereiro de 1821.  A Bahia era surpreendida com a nomeação do então coronel Inácio Luiz Madeira ao posto de Brigadeiro e Governador das Armas, isso porque, Madeira, então comandante do batalhão não se dispusera a assinar a aclamação da Constituição. Assim, a Câmara preferia a manutenção do brigadeiro Manoel Pedro, mostrando-se disposta a obstar a posse do novo comandante nomeado pela Corte de Lisboa". 
Madeira de Melo não admitia qualquer insubordinação, mandava que a tropa sob o seu comando agisse de forma até arbitrária a qualquer ato de protesto. Foi assim que, a tropa em perseguição a um cidadão que ao pasar havia dito algo contrário e, correndo, conseguiu adentrar no Convento da Lapa. Impedido de entrar pela religiosa Joanna Angélica, um soldado não titubeou em assassiná-la com a baioneta do seu fuzil. O fato ganhou enorme repercussão e revolta. Não havia como reagir em face mesmo da absoluta falta de armas.


. A solução era recuar. O mais viável era arregimentar a reação em locais interioranos como São Francisco do Conde, Santo Amaro  Maragojipe e a  então Vila da Cachoeira, por ser a mais populosa e de acesso via rio Paraguaçu. Madeira de Melo estava informado e disposto a impedir, mesmo empregando a força contra  qualquer "propaganda revolucionária" sobretudo as pregações feitas pelo vigário Cardoso da paróquia da Cachoeira onde vários patriotas estavam homiziados, que se reuniacada dia emcasa diferente. Na vizinha São Félix residiam vários patriotas comandados pelo avô do poeta Castro Alves.
Quarta-feira, dia 19 de junho de 1822. A população cachoeirana vê chegar ao porto uma canhoneira de guerra munida do que havia de mais moderno,na época.. No dia seguinte por volta das 17 horas, toda a tripulação da dita embarcação desembarcou. Os soldados estavam armados de espingardas, pistolas e  espadas, com o claro objetivo de intimidar a população. Ao passarem em direção ao Caquende, um  cidadão que passava disse algo e acabou sendo perseguido. Em disparada conseguiu entrar no Convento do Carmo. Formou-se uma grande confusão com a participação de muita gente amparada pela autoridade de um frade que acabou sendo preso e conduzido ä embarcação.   
Na segunda-feira, dia 24 de junho, surgiu um comentário que logo se espalhou, que o doutor Francisco Gomes Brandão Montezuma havia mandado uma correspondência para o patriota Joaquim Antônio Moutinho na qual vinha expressa a recomendação de que fosse logo deliberada a iniciativa de aclamar D.Pedro como Príncipe Regente uma vez que o Partido Lusitano o fizesse.
Naquele mesmo dia, por volta das 20 horas, falava-se que no distrito de Belém estavam reunidos sob o comando do major José Joaquim e Almeida Arnizau um pelotão com considerável número de homens e que iriam rumar para a sede da Vila da Cachoeira. Diante disso, o advogado Rebouças redigiu a convocação do Senado da Câmara, combinando com o paadre José Marcelino de Carvalho a celebração de um  Te-Deum que efetivamente foi celebrado por volta das 9 horas da manhã daquela terça-feira, dia 25 de junho e 1822.
Aristides Milton, na citda "Efemérides Cachoeiranas"assim escreeu:"foi com aquele intuito alevantado e digno, que a multidão chegou á praça, onde a tropa, formando em alas, prolongou-se pela rua da Matriz e outras adjacências"
ar 
Duas heroínas da Independência: Joanna Angélica e Maria Quitéria.
Finda a sessão, após lida a ata que foi lavrada pelo advogado Rebouças, a multidão começou a vibrar dando vivas enquanto a tropa fazia uma descarga com cartuchos de festim. A resposta não demorou. Da barca canhoneira começaram a ser disparados tiros de metralha.  Saltaram alguns soldados a fim de amedrontar as autoridades locais que reagiam com as poucas armas de que dispunham. Da barca lusitana chovia bala até em canoas que se atrevessem passar de Cachoeira para São Félix e vice e versa.
O comandante da barca enviou um ofício onde ameaçava "arrasar a vila se não se submetesse logo". 
Com a vinda de um canhão que disparou um único e certeiro tiro, naquela histórica sexta-feira, dia 28 de junho a barca era invadida e a tripulação rendida. Era o início de uma reação que culminou no 2 de junho de 1823, num embate em que sobressaíram a coragem do negro escravo e de uma mulher chamada de "Soldado Medeiros", Maria Quitéria que cortou os cabelos e se vestiu de homem a fim de se alistar na tropa, merecendo do general Labatut palavras de admiração e respeito, pois "havia entrado três vezes em combate, e, em toda a campanha se distinguiu por indizível valor e intrepidez".
Da esquerda para a direita: pistolas que foram utilizadas nas lutas da independência. Bandeira que foi oferecida á Cachoeira por D.Pedro I. Roupa de couro usada pelos soldados de 1823.
Todos esses objetos, inclusive a ata histórica do 25 de Junho estão sob a gurda do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia, desde a comemoração do centenário no ano de 1922.

Nas comemorações do centenário do épico 25 de Junho, a Comissão encarregada da organização dos festejos, resolveu construir um coreto no formato de uma embarcação simbolizando a canhoneira que atacou a então vila da Cachoeira nos idos de 1822.
A foto reproduzida acima é de junho de 1922, há 94 anos passados, portanto





















                                                    












Nenhum comentário:

Postar um comentário