sábado, 15 de outubro de 2016



COMENTANDO

                          Reformas, já !

No domingo passado, o governo conseguiu reunir mais de 200 deputados num rega boje intitulado "esforço concentrado", um feito inédito, sem dúvida,em se tratando de um domingo,quando sabemos que Suas Excelências raramente trabalham nas sextas e só retornam ás terças.
A sobremesa servida foi a proposta de emenda constitucional, a PEC proposta por Temer e Henrique Meireles, os paladinos da austeridade, na tentativa de limitar os gastos públicos. Conter gastos, não ser perdulário, não meter a mão no que não arrecada é uma medida que deve ser como uma meta a ser atingida por qualquer gestor, quer seja ele municipal, estadual ou federal. 
Vamos fazer justiça ao ex-ministro da fazendo Antônio Palocci, hoje enrolado por acusação de receber propina. Partiu dele a ideia de limitar a gastança do governo petista. Quem rejeitou a ideia foi a então chefa da Casa Civil, Dilma Rousseff, alegando que a proposta "era rudimentar"e que "gastos públicos é vida". Se Palocci tivesse levado adiante a sua ideia haveria naturalmente o equilíbrio fiscal que impediria as famosas pedaladas, , Dilma não sofreria o. impeachament e os município e estados não estariam na situação falimentar que estão.
Na segunda-feira, na primeira votação, a Câmara por ampla maioria aprovou o teto para gastos do governo. Segundo comentários que li de economistas gabaritados, isso não resolverá todos os problemas fiscais, será uma saída a fim de uma explosão da dívida pública. Se nada fosse feito, o rombo chegaria a 160% do Produto Interno Bruto. Tomara que a vitória do governo tão festejada seja o início de outras tantas que o país tanto necessita. A opinião pública deve ficar atenta porque os que votaram e votarão a favor de qualquer medida governamental, como é de praxe, acabam pedindo nomeações para cargos e liberação de verbas. É assim que funciona a política nacional desde tempos imemoriais, ademais, todos eles são detentores de mordomias e privilégios tais como, aposentadorias precoces, cartões corporativos, etc e tal.
Para que o Brasil entre nos eixos, há de se falar e agir com a mesma presteza quanto a reforma de previdência, a modernização das leis trabalhistas e política, leis mais rigorosas para o código de processo penal, revisão da legislação que estabeleceu o foro privilegiado e mais algumas coisinhas a fim de que o Brasil possa enfim ser chamado de Primeiro Mundo.

                   DATAS
No dia 10 de outubro de 1838, oito indivíduos que estavam cumprindo pena na cadeia pública, que funcionava na parte térrea da prefeitura (foto), conseguiram-se evadir-se de forma misteriosa. Na época, segundo os jornais, suspeitaram do carcereiro mas, por falta de provas ele continuou na função.

Segundo Milton em suas "Efemérides Cachoeiranas", tomava posse no governo da então Província da Bahia, D.José da Cunha Gran Ataíde e Mello, em 11 de outubro de 1704. D.José promoveu a cultura do fumo nos campos da Cachoeira.


Na gestão do prefeito Cunegundes Barreto (1928/1930), era inaugurada em 12 de outubro de 1930 a estátua para homenagear os heróis de 1822 e que está instalada na praça Teixeira de Freitas. Eu, sinceramente, não obstante considerar justíssimas as homenagens ao nossos avoengos,considero a referida estátua duma cópia mal feita da estátua da liberdades dos Estados Unidos e até escrevi alguns artigos,e,no ano passado, aqui mesmo,apresentei um modelo da minha concepção.

Sendo prefeito da Cachoeira Julião Gomes dos Santos (foto) no seu segundo mandato (1967/1970), o Conselho Estadual de Cultura da Bahia, aprovava em 13 de outubro de 1969 o chamado "Projeto Cachoeira" que prometi celebrar convênios com o município objetivando "resguardar a herança cultural recebida de gerações pretéritas". Convênios foram efetivamente firmados, no entanto, nada de objetivo aconteceu.

Os jornais que circulavam na Cachoeira, na época, ( A Cachoeira,O Social e o Pequeno Jornal) e traziam uma "Carta de Despedida" em 14 de outubro de 1939, há 77 anos passados, portanto, de uma das mais tradicionais familias da cidade, a família Estrela. O patriarca da família, seu Arlindo Estrela exerceu várias funções no governo local, era proprietário do imóvel da foto que os herdeiros, um dos quais casado com uma tia de Leda Margarida, doaram para a paróquia quando era dirigida pelo Monsenhor Fernando Carneiro (foto)

No ano de 1961, quando fazia parte do grupo original de Os Tincoãs, depois de  uma reportagem do jornal em o Correio da Manhã, o mais importante jornal do país e que era dirigido pelo cachoeirano Manoel Paulo Filho, e de uma apresentação na extinta TV Continental, na hora a emissora recebeu telefonemas e recados da enorme colônia cachoeirana radicada no Rio de Janeiro. Um dos telefonemas foi de uma das filhas de seu Arlindo, Margarida Duarte, que morava na Senador Vergueiro, no Flamengo. Ela nos convidou para uma "típica feijoada baiana"e conseguiu reunir toda a família.


Viajando para o Rio em  07/08/61
Naqueles tempos, galera, artista de rádio gozava de muito prestígio, aparecer então na televisão... Eu encarava tudo com naturalidade, tudo na vida é transitório.
Fomos, então ao encontro da Família Estrela.  O velho Arlindo conservava uma boa memória, queria saber das coisas que deixou. "Você é filho de quem? " perguntou ele pra Dadinho. "Ah, filho de Totonho Cabeçorra !" Depois foi a vez de Heraldo, e ele "conheci os irmãos Bouzas! " Finalmente a mim, e ele, "você é filho de Jessé ?"  Me inundou de perguntas que eu não sabia responder, apenas por ter lido ou ouvido falar.
A sua filha e anfitriã, Margarida, tinha uma linda voz, cantou algumas "modinhas"acompanhadas por Dadinho ao violão. Ela falou com orgulho dos tempos em que cantava no Coral da Matriz. Foi realmente um domingo inesquecível.



Apresentação do trio cachoeirano num programa ao vivo na Rádio Globo do Rio de Janeiro


No dia 15 de outubro de 1937 chegava a Cachoeira a infausta notícia do falecimento do festejado em toda a região, o maestro João Camelier, dotado efetivamente de formidável talento musical. Na Cachoeira, foi regente da Orquestra de Nossa Senhora da Ajuda e da filarmônica Minerva Cachoeirana.



Em 16 de outubro de 1941, uma empresa pernambucana adquiria todo o maquinário da antiga Fábrica de Tecidos São Carlos, que deu lugar a Fábrica de Papeis e Papelões Tororó. 

                                            Palavra difícil é que é importante

A minha filha, Rosinha, me mandou um áudio super-engraçado, com o discurso do prefeito de Quixeramobim, no Ceará, o espirituoso e criador de neologismos, Cirilo Pimenta, que faria inveja ao dramaturgo baiano Dias Gomes, o imortal criador do personagem Odorico Paraguaçu.
Como uma história puxa outra, quando abriu em Salvador uma loja chamada Discolar, que de acordo com que o nome sugere era especializada em vender discos, eu fui um dos primeiros vendedores autônomos. Com um relativo conhecimento de música, cantores e bandas da época, fui, com o tempo, me aprimorando e ampliando meu horizonte de vendas em várias cidades próximas a Cachoeira. Estava, como se dizia á época, "por cima da carne seca", tinha conseguido com as comissões de vanda juntar uma boa grana o que me permitiu realizar uma besteira: abrir uma loja. Foi uma pura vaidade.Aberta a lojinha, com a clientela reduzida, e muito, e, se não bastasse, naquele dezembro de tempos idos, o rio Paraguaçu resolveu fazer uma visitinha ás terras de sua propriedade, A lojinha era situada na Rua Rui Barbosa, bem em frente a Loja Jormeire. Depois de arrumar minhas coisas parti para ajudar o meu vizinho e amigo Jorge Abdala (foto), mais conhecido como "Bagajinha" porque ele foi mascate, vendedor ambulante.
 Ele estava preocupadíssimo, havia feito compras para o Natal, as faturas eram pesadíssimas. Ele havia adquirido também uma quantidade enorme de brinquedos que seriam entregues no dia do Natal, pelo "tradicional Papai Noel da Loja Jormeire", o conhecido Tibu, irmão de Tabatinga.
Com as águas chegando nas proximidades do sobrado da filarmônica Minerva, ganhamos o concurso de Natanael Veloso, o popular Nael, dona da Casa das Revistas que ele havia herdado do seu pai, o velho Julio Costa.
Embora todo o material tivesse de ser transportado para a parte de cima do sobrado onde funcionava a loja, começamos a tomar uma cervejinhas patrocinadas naturalmente por Jorge. Vieram os tira-gostos e mais cervejas. Quando os trabalhos foram concluídos, as águas já estavam no passeio da Farmácia Régis. Jorge aproveitou que o mecânico Toinho estava trazendo o seu jeep, solicitou que ele nos acompanhasse, dirigindo, para uma visita a Belém, distrito da Cachoeira, local que muitas famílias se refugiavam em veraneio naquele período do ano. 
Devia ser um pouco tarde pois não havia ninguém, nenhuma casa aberta. Jorge saltou do jeep e bateu com vigor numa porta que se abriu e logo apareceu o velho ferroviário aposentado, seu Astrogildo, muito cortês, se apressou em servir um uisque Cavalo Branco, fatias de peru e queijo do reino. Como n
ào apareceu ninguém, todos estavam dormindo, naturalmente. Jorge ficou emocionado. Pediu para fazer uso da palavra:
- Amigo Astrogildo ! Não poderia me calar neste instante em que você abriu a porta do seu lar a fim de nos recepcionar...
E continuou elogiando o anfitrião. Lá pra diante em me veio com duas palavras estranhas para mim:
- O senhor, senhor Astrogildo, é um xilopen, um vakuisivuquise... 
E descemos de Belém. Cheguei em casa 'cheio do pau".  Leda, com quem estava casado na ocasião, sem reclamar como era do seu costume, recomendou-me tomar uma boa ducha. Na manhã seguinte eu acordei com aquela dúvida na cabeça e Leda com outra:
- Como é que você conseguiu vomitar suas costas?! 
Cara...Foi Nael, com certeza, as curvas da estrada de Belém/Cachoeira...
Encontrei-me com Bagajinha na praça Dr.Milton:
- Jorge; de onde você me tirou as palavras xilopen e vakuisivuquise
E ela na maior cara de pau:
- Discurso tem de ter palavras difíceis 
Tá certo! rsrs

FUTEBOL
              Primórdios do futebol na Cachoeira


Depois de ter ouvido o Mestre Adriano, resolvi combinar com o amigo Evangivaldo para uma entrevista formal, quando eu faria as perguntas e ele as responderia. O local de encontro seria num barzinho explorado por um dos seus filhos, localizado na parte térrea do sobrado de dona Nininha, bem em frente á igreja Matriz. Na hora marcada ele apareceu. Na ocasião ele estava desenvolvendo um projeto denominado "Sócio Atleta da Lira" treinando basquetebol com jovens aprendizes da tradicional filarmônica da Cachoeira. Para descontrair o papo, pedimos uma cervejinha, conversamos sobre política etc.
- Vanjú; você me disse certa feita que o futebol não era bem visto na Cachoeira.
- Era considerado coisa de moleque, até que os filhos do doutor Ubaldino foram jogar no Rio de Janeiro, sendo considerado, então, coisa de"meninos sem juízo".
- Fui informado que o campo de jogo era na praça Maciel.
- Os time da Liga  do campeonato, sim. Existiam muitos campinhos pela periferia, campeonatos de várzea, como na Ladeira da Cadeia, nos Remédios, no Virador, Cucuí, Pitanga de Cima em frente da Serraria...Também em frente do Cemitério tinha um campinho. O finado Muriçoca fundou um time muito bom chamado "Onze Batutas"  em que jogavam Nivaldo, Dió, Mituca, Bebé, Eu, Filó Peidão, João Nanico. Dedé, Pé-de-Bicho...Era um bom time.
- E as regras eram as mesmas?
- Ah, não sabíamos, ainda, as regras do impedimento,o goleiro não era intocável nem na pequena área, aí meu caro, quando se batia um corner, o atacaente poderia empurrá-lo e se caísse dentro do gol, o gol valia. Além do juiz central e os bandeirinhas laterais, existiam dois "juízes de gol" responsáveis por validar ou não o gol, se a bola entrou ou não!
- Quer dizer então que não existiam as redes...
- Não. O pessoal colocava barbantes enfeitados  com papel em formato de borboletas, nas cores dos clubes que estavam disputando a partida. Ficava até bonito  mas quando ocorria um gol o barbante se partia e daí pra frente...
- E o campo Ubaldino de Assis?
- Walter Gavazza fundou um time chamado Brasil e resolveu construir um campo naquele local. Mas, foi durante o governo de João Vieira Lopes, mais ou menos em 1937, que o campo tomou jeito de gente.
- Como foi a sua ída para o futebol profissional?
- Dival Schimidt timha um amigo que era diretor do Bahia e eu fui pra Salvador a  fim de treinar. Quando cheguei lá, aquele mundo de gente até do Rio e São Paulo querendo treinar. O profissionalismo estava ainda engatinhando. Então, um funcionário dos Correios que eu não lembro o nome, agora, foi quem me recomendou ao Vitória e eu me apresentei ao senhor Barradas. Trenei e me dei bem mas fiquei pouco tempo, o dinheiro eera pouco e a desorganização era muita. No esporte na Bahia, continua faltando homens com agá maiúsculo!
- Como você escalaria a seleção cachoeirana de todos os tempos?
- Vou fazer uma pequena ressalva. Não se pode traçar um paralelo entre o futebol antigo e o atual. No meu tempo, por exemplo, existiam jogadores que davam trato, tinham intimidade com a bola, eram habilidosos, mas a maioria era só entusiasmo, , preparo atlético. Os laterais antigos, por exemplo, jogavam fixo, enquanto os atacantes se preocupavam apenas em fazer o gol no adversário. Mas vou satisfazer a sua curiosidade: 
O goleiro seria Memeu, natural de Coqueiros. Ele tinha uma boa colocação, era bastante seguro. Na lateral esquerda, Cachoeira naquele estilo antigo. Zagueiro central, Fedegoso, "limpador de área". Ele era motorista de doutor João Mendes. Quarto zagueiro, Zéca Pau-de-Taca e na lateral esquerda, Dió Beiçudo.
Atacantes; Nazu, Joel Bananinha, Manteiga, Waldo Azevêdo, Gileno e Perivaldo, um dos pontas mais velozes que eu conheci.
Tínhamos,também, bons valores como Bebé da Gringa, Manoelzinho Cabeça Chata e Lindu.
- Ainda hoje falam em Waldo Azevêdo como um dos grande jogadores da Cachoeira.
- E foi. Driblava bem, era goleador mas tinha um defeito; não marcava, não disputava  a bola.
- Como é que foi mesmo aquele antológico jogo do campeonato cachoeirano entre o Bahia e o Ypiranga? Contam até hoje que foi um dos melhores jogos realizados na Cachoeira.
- Depois daquele jogo em comecei a acreditar no sobrenatural. Todo mundo no campo (menos nós que estávamos jogando) ouviu o Pai de Santo chamado Congo de Ouro dizer que iria bulir com os búzios e voltaria quando o Ypiranga virasse o jogo. Não deu outra. O jogo aconteceu conforme o jornal A ORDEM escreveu outro dia.
No Túnel do Tempo,o time da Suerdieck que eu não vi jogar. Assinalei Waldo Azevêdo (1), Nilton de Zé Barros (2) e Evangivaldo (3). Agachados, Sandoval "Ovo"(4) que eu lembro jogando de goleiro no time do Cruzeiro Cachoeirano no campeonato sanfelixta, e Onaval Conceição "Pimenta"(5). Na foto seguinte, Evangivaldo como Vereador Municipal.


                                                   Aconteceu
Executivos da Odebrecht, inclusive Marcelo (foto) começaram a fazer acordo de delação premiada. Vazou que, os depoimentos vão envolver cerca de 150 políticos, inclusive ministros do governo Temer.



O ex-presidente da empreiteira Andrade Gutierrez, Otavio Azevêdo, (foto), afirmou em depoimento que sofreu "uma pressão horrorosa" a fim de repassar recursos  para a chapa Dilma/Temer e menciona doação de R$ 1 milhão para Temer.

Vocês já ouviram falar de Ricardo Batista de Oliveira? (foto) Ele é feirante aqui no Rio de Janeiro, é mais conhecido como "Rei da Merda" Ele garante tutu,ganha a vida vendendo esterco nas feiras livres.

Enquanto isso, uma senhora foi assaltada em Niteroi quando volta de um Shop com o seu cachorrinho de estimação. Dois malandros armados pararam ao seu lado e anunciaram o assalto:
 - Perdeu, tia!
E levaram a sacola que a senhora transportava que continha...cocô de cachorro !

O ex-jogador de futebol e atual Senador, Romário, teve a casa invadida por seis menores e um adulto, em Brasília. Este foi o terceiro caso este ano, o Baixinho pode pedir música. 
Romário está com dívida de milhões a uma empresa credora do seu antigo Bar Café do gol.

O juiz Sergio Moro, (foto) foi homenageado pela Câmara Britânica de Comercio do Rio. Quando estava de saída, um gaiato se aproximou dele e o inqueriu:
- O senhor me conhece ?
- Não, não senhor !
E o gaiato tirando o juiz do sério:
- Graças a Deus!

Na Casa da Moeda do Canadá, foi flagrado com a boca na botija, ou seja, no ato, o funcionário de nome Leston Lawrence entocando ouro no fiofó. Foi desmascarado e demitido o que se pode chamar de "Furico de Ouro!" Opa! eu conheci um sanfelixta chamado de Ivanildo (foto) que tinha esse apelido, era goleiro do Floresta. Foi ele que num lance casual fraturou a perna de José dos Santos, o Zé da Peida. Ele não era gay, inclusive veio a falecer devido ao desabamento de uma casa de tolerância na Ladeira da Montanha, em Salvador.




Um idoso de 69 anos, em Quijingue, na Bahia, foi flagrado dentro do curral pelo dona de uma mula quando estava no maior romance. Acabou sendo levado para o hospital com várias escoriações.

Uma ceramista australiana está ganhando grana e notoriedade ao fabricar vasos para plantas no formato de vagina, postando imagens de suas criações no listagem.


A saída do secretário Beltrame, criador da UPPs no Rio, foi festejada no meio da malandragem. Beltrame, não obstante os parcos recursos oferecidos pelo estado, realizou um bom trabalho. 

Olival Pessini, criador de vários personagens que fizeram enorme sucesso em humorísticos (foto), veio a falecer aos 72 anos, vitimado por um câncer no baço e no fígado.
Além de interpretar os personagens criados, era ele quem fabricava as próprias máscaras de silicone. Gênio.




E para finalizar, galera, o ex-deputado Eduardo Cunha, ao desembarcar no Aeroporto Santos Dumont, foi hostilizado com sonora vaia e quase levou uns tapas de uma senhora (foto).O juiz da Lava-Jato, Sergio Moro, abriu um processo penal contra ele.
Bom final de semana. Obrigado por prestigiar esta página. Divulgue-a


                                        















                                                                                         
                                                                                                       






                                                                                                       
                                                                                                             














Nenhum comentário:

Postar um comentário